terça-feira, 17 de agosto de 2010

Master Review - Prince Of Persia (1992)























Olá amigos, aqui é o Matheus retornando com força total após um tempo sem estar postando algo aqui no blog, estive ausente por certos motivos e por isso eu peço desculpas à todos que acompanham o blog, pois eu sei o quanto é chato ficar esperando por novidades em um site que tanto gosta, mas agora que a minha situação já melhorou um pouco eu vou procurar estar mais presente para estar compartilhando com vocês um pouquinho de tudo à respeito desse incrível console que, infelizmente, foi um pouco injustiçado no seu passado, mas que até hoje ele é muito querido no nosso país. Mas agora vamos deixar de blá blá blá e vamos ao que interessa, e na minha análise de hoje eu lhes apresento Prince Of Persia, como ele ganhou um filme (apesar da história não ter à ver com a história da versão que eu vou analisar hehehe) eu decidi (de última hora) fazer uma pequena análise da versão que o nosso Powerfull Master System ganhou que infelizmente tinha tudo pra dar certo mas acabou sofrendo sérios problemas, mas antes de falar desses problemas eu vou lhe contar um pouco da história para entendermos como tudo começou.

Era uma vez...

Aproveitando-se da ausência do sultão, que foi guerrear em outras terras, o Grão-Vizir Jaffar quis se aproveitar dessa situação apoderando-se do trono, mas houve um obstáculo entre Jaffar e o trono, ele teria que casar-se com a filha do Sultão. Mas Jaffar teve um plano, ele propôs duas opções à princesa para decidir em uma hora, que case-se com ele ou então será morta. Agora ela apenas conta com o seu amor, um jovem aventureiro vindo de uma ilha distante, e Jaffar nada contente ao saber disso acabou aprisionando o coitado do aventureiro (que por algum motivo não tem nome) aos calabouços do palácio do sultão, agora cabe à você de sair desse calabouço o mais rápido possível e salvar a princesa à tempo para então casar-se com ela para se tornar o príncipe da pérsia.

Jogo



O jogo é composto por 12 fases, que se passa desde os calabouços e até palácios, cheio de armadilhas e guardas espadachins te vigiando. O que era legal nesse jogo é que apesar dele ser um jogo de plataforma ele foge um pouco daquele padrão que os outros jogos do mesmo estilo tinham, aqui você não tem um caminho pré destinado igual à jogos como Sonic, e isso acaba fazendo com que você explore o cenário inteiro até encontrar o fim do estágio, e é aí que está o desafio do jogo, quem jogou pela primeira vez sabe do sufoco para passar cada estágio, porque você tem apenas 60 minutos para passar tudo, isso mesmo, você tem apenas uma horinha, e fora que quando você morre você tem que passar a fase toda de novo, fazendo com que perca mais tempo.

Você vai sentir um alívio quando encontrar a saída de uma fase.
Cena clássica.
Mas o legal mesmo era as variadas maneiras que o personagem podia morrer (não que eu ache legal ver alguém morrendo,mas esse legal que eu disse foi referindo à inteligente idéia de terem pensado nisso, deixando o jogo mais realista), caindo em espinhos, lugares altos (para mostrar que você estava realmente controlando um humano, portanto não venha dar uma de Super Mario!) guilhotinas, o que deve ter deixado as pessoas de boca aberta quando viram umas cenas dessas:
Você vai ver essas cenas muitas vezes.
Gráficos
Os gráficos sofreram uma melhora e tanto, todos os cenários foram refeitos, o príncipe possui uma movimentação quase idêntica à versão original, creio que a única coisa que eles tiraram aqui foi o sangue, que não tem quando você cai em algum espinho. Mas uma coisa que me incomodou foi a queda imensa de velocidade que esse jogo sofre, é claro que quase todos os jogos sofriam este probleminha, mas isso quando a tela está cheia de inimigos ou outra coisa do tipo, ao contrário desse aqui, que sofre isso literalmente nos 90% do jogo, é sério, e não estranhe se você morrer logo no começo por causa disso, porque infelizmente essa queda comprometeu (e feio) a jogabilidade do jogo, outra coisa que me atrapalhou foi os bugs que tem nesse jogo, que pra ajudar são muitos ainda, a seguir você confere dois bugs que ocorreram quando eu estava jogando:
Aqui eu estava jogando normalmente, só que infelizmente o atraso nos comandos acabou me prejudicando...

E acabei sendo atingido, mas tudo bem quando isso ocorre naturalmente o nosso príncipe vai cair para o andar de baixo certo?
Infelizmente aqui foi diferente, por um motivo o nosso príncipe simplesmente decidiu ir dormir.


Agora o bug seguinte é mais esquisito ainda, porque eu descobri, acredite, me suicidando:

Eu estava perdendo as esperanças pois eu não estava achando o maldito caminho para o fim da fase, então eu decidi me matar para passar a fase de novo...

Mas aí eu fui surpreendido, simplesmente no momento que ele caiu surgiu outro príncipe (seria sua alma?!), na hora eu pensei que fosse uma mensagem de esperança tipo:"Não desista guerreiro Matheus, eu te darei mais uma chance"...

Mas infelizmente não foi isso que aconteceu, ele simplesmente veio fazer companhia para o morto!


Mas apesar de ocorrer essas bizarrices e outras coisas assustadoras nos gráficos, essa versão é a mais bonita se comparado com as versões dos seus concorrentes (é claro que os que eu me refiro são os consoles da mesma geração como Nes e a versão do Ms-Dos, portanto não venha comparar com o Genesis ou Super Nes porque aí já é covardia).
Veja a diferença nos gráficos entre a versão do Master, do Nes e Ms-Dos (que praticamente é idêntica à versão original lançada para o Apple II), vale lembrar que a versão do Nes foi lançada na mesma época do Master (em 1992), assim podemos ver o quanto o Master era superior em quesito gráfico:
Jogabilidade


Agora vamos falar um pouco da jogabilidade, o príncipe pode:



Correr



Andar



Saltar de uma plataforma para outra



Saltar para a plataforma que está em cima de você



Se segurar numa plataforma
Bom, aqui vocês tiveram uma pequena idéia de como funciona a jogabilidade, e é incrível a maneira de como eles conseguiram aproveitar (e muito bem) todos os botões do joystick, e na hora que você encontra algum inimigo você também não terá dificuldades, bom se eu disser isso eu estarei mentindo pois você terá sim um pouco de dificuldade já que , como eu disse, o jogo sofre aquela maldita queda de velocidade, prejudicando você praticamente o jogo inteiro (eu sinceramente tive que resetar o jogo muitas vezes, já que se eu usasse o continue eu estaria perdendo muito tempo), mas eu te garanto, é tudo questão de treino pode acreditar.


Cá entre nós, esse de branco tem de tudo pra morrer certo?

Bom....acho que sim...

Som
Realmente o som deixou muito à desejar, pois literalmente o jogo só tem três músicas, a primeira é a que toca no press start, a outra toca quando mostra o tempo restante e a última, que toca na hora em que começa a fase (se é que pode chamar isso de música), mas pelo menos o jogo conta com alguns efeitos sonoros, como o barulho que faz quando você está abrindo algum portão, ou então quando você cai de uma certa altura, mas nem mesmo esses efeitos te ajudam à evitar de cair no sono.
Dificuldade
Bom, sinceramente pra mim o jogo não é difícil em momento algum, aqui você não tem, digamos, um chefe como em outros jogos, e tanto é que o Jaffar é exatamente (os sprites dele) idêntico ao dos outros guardas, e isso vale também quando você for enfrentá-lo não tem diferença nenhuma, a única dificuldade que vocês teram mesmo é passar o jogo enfrentando esses problemas que eu citei aqui (sem esquecer do tempo também), fora isso o jogo é bem fácil, podem acreditar.
Mas enfim, um jogo com tantos erros assim realmente vale a pena gastar algumas horinhas para jogar? A minha resposta é sim, ora pessoal, é de Prince of Persia que estamos falando e não um jogo qualquer, e apesar de tantas falhas não tem como você não jogar, pois se trata de um clássico absoluto, e ele foi um jogo diferente dos outros da época por não ter coisas fictícias como monstros e magias, trazendo um conceito mais realista, enfim, um bom jogo apesar de tudo.

E por aqui eu encerro mais uma análise. Até mais pessoal e mais uma vez eu peço desculpas à todos.

14 comentários:

  1. Excelente análise, Matheus! Bom ver o QG Master de volta! :D
    Cara Prince of Persia é jogão, mas pelo visto a versão do SMS fica bem prejudicada por conta desses problemas que você mencionou. Mas sem dúvida ela é a mais bonita das versões, embora eu ainda prefira os gráficos do MS-DOS por causa da nostalgia rsrsrs. Prince of Persia foi um dos primeiros games que eu joguei no PC, bons tempos.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Bom ver o QG Master de volta à ativa! Prince of Persia é um clássico, e como tive antes um Master do que um PC, foi exatamente por meio do console da SEGA que conheci este jogaço! E como mostrou o post, a versão do Master dava um pau na concorrência!

    ResponderExcluir
  3. @Adinan
    Fala Adinan como vai? Cara que bom que você gostou da análise, eu também tenho boas lembranças jogando a versão original, eu me lembro de ter ficado nervoso com o jogo porque ele era mais curto,porque na época eu só tinha jogado a versão do Super Nes e como eu era criança não sabia que a versão do Super era, digamos, um remake, então já viu né a cara de decepção da criança hauhauhau, mas de qualquer maneira eu acabei me divertindo pra caramba.
    Abraços.

    @André Breder
    Pois é André, quando eu me apresentei na análise do R-Type eu disse que estaria ajudando o Leo quando estivesse ausente, e quem acabou sumindo fui eu hauhauhauhau, é que acabou ocorrendo uns imprevistos aqui comigo e aí acabei ficando muito ocupado, mas agora tá tudo bem. Mas voltando ao assunto eu acho que esses foi um dos motivos de eu ter feito o review desse jogo, que apesar dos erros não tem como ignorar um clássico não é mesmo?
    Valeu, abraços.

    ResponderExcluir
  4. Execelente Análise! Completíssima!
    Pena que detesto esse jogo, nunca consegui gostar. Sempre achei muito travado e muito lento. Tenho antipatia mortal desse título.
    ...
    Ai... estou mais calmo.
    ...
    Já estava sentindo falta de visitar o QGmaster. Agora só falta o Léo dar o ar de sua graça. Ele ainda está vivo? Nunca mais me respondeu. Cadê você cara?
    ...
    Arrasô na Análise!

    ResponderExcluir
  5. Nunca terminei esse Prince of Persia clássico, apesar de ter feito final na trilogia do PS2 e nessa última versão do X360.

    Sei lá, acho meio travado, isso em todas as versões.

    Mas é evidente que a versão do Master dá um show nas outras em se tratando de gráficos! Muito bonito o game!

    ResponderExcluir
  6. @GLStoque
    Muito obrigado pelos elogios, eu confesso que tive que ter muita paciência pra lidar com esse jogo já que ele apresentava muitas falhas, na minha opinião esse jogo está bom, mas poderia ser melhor, principalmente por ser um jogo de 1992 (compare com os jogos que foram lançados na mesma época que você vai entender o que eu quis dizer), mas mesmo assim eu aprendi a gostar desse jogo ^^.
    Agora você me fez uma boa pergunta, cadê o Leo? Ele não entra em contato comigo desde Julho e até agora eu estou sem notícias dele, realmente ele faz falta.
    Abraços.

    @Cosmão
    Realmente a versão do Master ficou muito bonito, mas infelizmente quando o jogo está pausado, eu ainda não me conformo desse jogo não haver música, acho que eu reclamo disso porque me acostumei com a versão do Super Nes, mas mesmo assim eu acabei gostando dessa versão, joguei tanto ultimamente que acabei até aprendendo à lidar com os problemas do jogo, agora eu até passo rapidinho hehehe.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. @Matheus
    Se tivesse reparado que esse treco saiu depois do Sonic, não teria sido tão bonzinho.
    ...
    Hora de iniciar uma quest em busca do Léo perdido.

    ResponderExcluir
  8. @GLStoque
    Concordo plenamente com você, eu acho que fui generoso até demais com esse jogo, eu só fui assim por ele ser um clássico mesmo.
    Agora sobre o Leo, até agora ele não me mandou nenhum sinal de vida, o que me preocupa um pouco já que faz um bom tempo que ele não entra em contato (acho que já faz um mês e meio), vamos torcer para que não tenha acontecido nada de grave com ele, que seja apenas falta de tempo livre por causa do trabalho. Mas enquanto ele não volta eu vou fazendo o possível para não deixar o blog parado, e me aguarde porque eu já estou preparando mais uma análise.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Esse eu não joguei, fui direto da versão Pc para a versão megadrive/snes, que eram espetaculares, mas da pra ver o capricho para com esse jogo (pelo menos na parte gráfiaca), ainda mais levando em consideração que em 1993, o Mega e o Snes já bombavam a muito tempo!

    ResponderExcluir
  10. @Sabat
    Bom, concordo com você, nesse ano o Mega e o Snes já dominavam o mercado e também já possuíam títulos de peso, devemos lembrar também que no mesmo ano em que o Master ganhou o jogo, o Snes também tinha ganhado uma versão (e que versão hein!), que, sem dúvida alguma, foi uma das melhores versões, contendo fases à mais e, por um milagre, o jogo ganhou música (fala sério, ninguém merece jogar naquele silêncio não é mesmo?). E outra, no ano seguinte o Mega também recebeu uma versão muito bonita do jogo, ela não foi tão memorável quanto a versão do Snes, mas mesmo assim foi bom, então eu acho que isso também ajudou a versão do Master à cair no esquecimento.

    ResponderExcluir
  11. Confesso que esse joguei pouco (pelo menos a versão do Master). Me amarrava muito na versão para o PC (um dos primeiros jogos que joguei em minha vida). Um abraço e bela resenha.

    PS: realmente a movimentação do personagem parece um eterno "slowdown"

    ResponderExcluir
  12. Vejo que temos uns amigos em comum aqui também, né Sabat ? Bem na minha opinião como um todo sou mais a versão do Master do que a do Nes e Pc, tanto que tenho um Blog voltado ao Master também, caso queiram dar uma olhada, lógico que nem se compara a esse e muitos por aí em questão de complemento, mas é muito divertido...

    Abraço !


    http://mastersystemgames.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Putz Matheus, eu que peço desculpas pra ti veio, voltei a ativa aqui no blog já faz um mês e ainda não comentei nada aqui sobre sua excelente análise.
    Eu já tinha lido, só não consegui tempo pra comentar, mas lá vai:

    Muito bom o review, excelente em todos os aspectos, você enalteceu os pontos positivos do game, que é realmente muito bonito para o 8-bits, lindissimo. Jogabilidade simples e bem explicada, movimento por movimento. E gostei de ver que você não poupou nenhum problema, deixou bem claro todos os pontos negativos, que realmente era tristes...

    Mesmo assim adoro esse jogo, alugava sempre e ficava horas jogando. Nostalgia pura.

    Parabéns Matheus, texto muito bem escrito. Abração!

    ResponderExcluir
  14. Grande Matheus!
    Sei que a matéria é antiga, mas conseguiu rodar a Rom no meu Flashcart, finalmente.
    Apanhei um pouco dos controles, mas como gosto dos gráficos estilizados e melhorados no Master System. Dá um ar de respeito e mistério ao jogo.
    Só me mata de raiva aquelas fase que a única solução é cair e se agarrar. Morro mil vezes e o tempo (de 1 minuto!) acaba. Mas é um jogo lindo. E o personagem tem defesa, coisa raríssima.
    Aliás, pretendo depois disponibilizar a matéria dele do livro "1001 videogames pra jogar antes de morrer". Queria saber se vc tem umas passwords dele, tem?
    Abraços

    ResponderExcluir