domingo, 11 de fevereiro de 2018

Master Review - Astro Force e Silver Valley (2017)











Saudações, galera!
Alegrai-vos, o Master System, ainda não morreu!
Para fãs como nós, ele nunca nos deixou de fato e, este blog, é uma prova disto. No caso de hoje, me refiro aos títulos novos, feitos pelos mesmos amantes do 8 bits da Sega. Desta vez, falarei de dois deles, Astro Force e Silver Valley. Vamos lá?!

Recentemente, o Blog Tectoy (blogtectoy.com.br), publicou uma entrevista com Enrique Ruiz, um desenvolvedor lá da Espanha que “botou a mão na massa” e criou esses dois games em 2017. Silver Valley é o mais recente, lançando, no fim do ano passado. Não entraremos em detalhes de como foi a produção, que podem ser conferidos, lá no blog deles. Porém, o review  do QG Master, pode ser lido à seguir.

Gráficos e Sons – Ambos, possuem grafismo bonito, tudo, dentro do que se poderia esperar de um game oficial lançado naqueles tempos. Digamos que, está na média do víamos de melhor no sistema. Também apresentam cenas de abertura, contando o enredo destas aventuras.
Quanto à animação, pode-se dizer, que são bem básicas. Em Silver Valley, nota-se mais tal economia. O personagem que controlamos possui apenas um frame quando executa golpes de espada, efeito que lembra muito o de Strider, também de Master System (neste, é ainda pior... ele nem se mexe). Há inimigos que nem se movem, só deslizam na tela. Já Astro Force, por ser um jogo de navinha, não exige um trabalho de animação pesado. Aqui, o “arroz com feijão”, foi o suficente e ficou bem decente.
A parte sonora cumpre seu papel. Não são canções que marcarão a vida do gamer mas, passam seu recado. Ainda assim, acho que as de AF são alegrinhas demais para o tipo de ambientação. Deveriam ter tom mais épico, heróico como em Raiden Trad ou R-Type (afinal de contas, trata-se da sobrevivência do planeta Terra).

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Indie Review: Super Tokussatsu Onore (~2016)




Olá turma!
Fevereiro chegou e com ele, novidades! É com muita satisfação que teremos o review de um jogo que 9 em cada 10 gamers brasileiros sonharam. Vamos conhecer a iniciativa de jogar com heróis japoneses em Super Tokussatsu Onore.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Entendendo a Referencia...


Salve pessoas!
Das coisas mais cotidianas, sempre houveram games cuja ideia não saiu do zero. É maravilhoso um personagem nascer da cabeça de um programador e ele conquistar as pessoas, mas mais fácil o caminho quando ele vem de outro universo como páginas ou programas de TV.  Desde os joguinhos do Popeye e do Homem Aranha no Atari, eu adorava aqueles games que tinham uma Referencia.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Master Review: Bem vindo 2018! (Review Secreto)

Olá pessoal!
É o Douglas e o Rodrigo novamente, neste post comemorativo de 2018!!g
O QG está passando por uma nova fase, e teremos novos quadros e remodelando os antigos. 
-> Vamos estar valorizando as crônicas e relatos, pra você que nos acompanha conhecer mais e estar mais próximo de nós.
-> Manter a meta de ser um verdadeiro QG, uma "Fortaleza da Solidão" que guarda o conhecimento Retrogamer que vivenciamos, com Guides e Reviews. 
-> Investir em quadros de humor e reflexão, coisa que sempre apareceu mas indiretamente, aqui.
-> Igualmente explorar em nível maior o Sistema SEGA e o cenário atual. Mas sempre tendo o Master como a Coroa do Blog. 

Tudo isso em agradecimento a VOCÊ que continua conosco, os últimos daquela época boa do boom da Blogosfera! Mas ser retrogamer sempre será nadar contra Corrente!
Vamos incendiar 2018! E que venha um ano maravilhoso.
A nossa surpresa é o Review Secreto que guardamos! Confira:

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Meme Retrogamer: O que Você Jogou em 2017?


Salve pessoal!
Parece até difícil acreditar, mas 2017 chegou ao fim. Parece consenso que não foi um ano fácil... Ou pode ser a sensação de nossa geração retrogamer, que já viveu anos melhores ou pelo menos, numa época que não tínhamos tantos problemas.

Mas a equipe mostrou-se animada para festejar o fim.  Não tivemos dos cinco presentes nenhuma hesitação em compartilhar com vocês nossos melhores momentos na telinha, foi sangue no olho e já tava lá nossa matéria feita a dez mãos, apesar do nosso consenso que todos nós jogamos menos do que gostaríamos. Vamos botar na mesa nossas dicas com cada um dos membros:

sábado, 2 de dezembro de 2017

Entrevista: 16 Bits da Depressão



Olá amigos!
O QG tem a honra de entrevistar um grande fenômeno da Internet. Entrevistamos a Página 16 Bits da Depressão e seu criador, uma página que inovou no Facebook trabalhando humor com os games clássicos, com todo tipo de tema.

sábado, 18 de novembro de 2017

Jogos Inventados - 6 continuações que não houveram!

Essa continuação virou real!

Olá amigos!
Misturando fantasia e nostalgia, resolvi 6 continuações de jogos que não houveram para Master System. Ficou curioso? Então vamos imaginar que entramos numa realidade paralela e estamos cobrindo estes antigos sucessos!

domingo, 12 de novembro de 2017

Master Review - Robocop 3 (1993)








Saudações!
Aqui estou eu, de volta, aos reviews de jogos do nosso amado Master System. Desta vez, falaremos da versão deste console de Robocop 3. Vamos lá?

A capa nacional do game.
O Game - Baseado no filme de mesmo nome, é um porte das versões lançadas para o Mega Drive e Super NES, produzidas pela Ocean. Desenvolvido pela Eden Software e publicado pela Flying Edge, uma subsidiára da Acklaim (para driblar a cláusula de exclusividade com a Nintendo), você controla o policial ciborgue mais famoso do cinema e sai “sentando o dedo” na bandidagem.
Apesar de ser um produto licensiado, ele não é muito fiel ao que é visto na telona. A Ocean, não deve ter tido acesso ao roteiro, só à algumas informações básicas, dada às diferenças gritantes entre as mídias (“Robô Capeta com Trabuco na Mão”? Dá onde tiraram isto?!). No geral, o jogo é um típico do gênero, com ação lateral e algumas poucas plataformas para pular, sem qualquer novidade que se destaque.

Gráficos, sons e controles – Robocop 3 não é um jogo impressionante, nem nas versões mais parrudas. Entretando, para um 8 bits, ele não faz feio. Levando em conta o material de origem, a fidelidade é grande. Este, conseguiu entregar, um game acima da média, o que não rolou nos 16 bits. Explicando... considerando o que cada console é capaz de fazer, para um Master, está satisfatório, enquanto os  outros, ficaram devendo. Portanto, esta conversão até que surpreendeu, por ter conseguido reproduzir, cerca de 80% dos elementos vistos.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Quebra-Pau Master










Olá pessoal! 
Tudo bem com vocês?
Estou de volta com mais uma pancadaria pixelada, direto, da "Arena Master System". Desta vez, o embate será entre Kato, o lutador de Kung-Fu presente em Pit-Fighter, e Billy Lee, o "Player 1" de Double Dragon.
Até mais e boa leitura!