quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Master Review - Heroes of the Lance (1991)

Olá a todos!
Estamos dando adeus à 2012 com muitas matérias novas. Guardem seus dados e manuais hoje, mas continuaremos a voltar a bater espadas e lançar feitiços. vou tratar (e talvez redimir) de um game famoso, não muito querido, mas que vale a pena uma olhada: Heroes of The Lance.

P.S: Aos leitores e colegas, estou com problemas na minha NET. Só consigo postar, não consigo responder nem comentar na minha conta. Mas tenho lido tudo e agradeço ao carinho de todos! 



_______________________________________________________________________________

Publisher: Strategic Simulation

Devenloper: U.S. Gold

Ano: 1991

Categoria: Role-Playing

Memória: 4 Mega
________________________________________________________________________________

A OVELHA OU O DRAGÃO NEGRO DA FAMÍLIA?
Comecemos: por que este game é tão detestado, sendo um original para Amiga, teve port para vários consoles? Talvez deveríamos fazer outra pergunta: o que os criadores queriam com este game?  HOTL, é um produto oficial da TSR, que detém os direitos do Role-playing Dungeons & Dragons.  Na época, era jogado (e muito jogado!) a edição Advanced Dungeons & Dragons ou AD&D. Confesso que conheci este game atraído pela linda capa (que engana!) na locadora e pelo nome de AD&D, que já passava muitas horas do meu dia jogando... O que pode nos frustrar é que os personagens com anatomia real e em movimentação em side scrolling, pode nos fazer agir como em um action game... Mas este é um RPG, e deve ser jogado como tal.

Esta foto oficial me lembra as antigas revistas de RPG...

O enredo é baseado no romance oficial do suplemento Dragon Lance: Dragons of Autumn Twilight (1984), volume 3. A Companhia da Lança (formada pelo meio-elfo Tanis, o guerreiro Caramon Majere, o filho do Cavaleiro da Solannia Sturm Brightblade e o anão Flint) se unem ao kender "ladrão" Tasslehoff (raça parece aparentada a dos gnomos e elfos em Dragon Lance, e ele não curte ser chamado de ladrão), o irmão "gêmeo" de Caramon, o mago Raistlin e ao casal exilado de Quir-Shu, a sacerdotisa Goldmoon e seu noivo, o ranger Reverwind, estes últimos possuem o misterioso bastão do Cristal Azul. 
Sua missão: Para resgatar a fé do povo de Krynn, tem de resgatar os Discos de Mishkal ocultos nas ruínas de Xak Tsaroth, protegido por um Dragão Negro. Parece bem fácil...    



GRÁFICOS E SONS
Bem, os gráficos do game são bem superiores ao do NES e os outros sistemas, a movimentação dos personagens é bonita. Ponto para as telas de apresentação acima e de cada personagem.  Os itens sempre aparecem em caixas, mesmo os que você deixou cair. Uma pena que os cenários são sempre escuros (nem devem totalizar os 4 Mega do cartucho), tem problemas na detecção de colisão e algumas magias podiam ter efeito visual melhor. Outro elemento não compreendido do jogo é que a movimentação é travada como Prince of Persia, mais para estratégia do que action. Já a música, apesar de dar um clima gostosinho de uma saga de AD&D, é repetitiva e os efeitos sonoros às vezes não são os melhores do Master System.

Todo personagem tem sua fichinha de RPG...

UMA DUNGEON E VÁRIOS DRAGONS
Talvez este deva ser um game para fãs de D&D. A sensação que tenho é de uma partida básica de D&D e só.  Você explora uma única Dungeon, as ruínas de Xak Tsaroth. O status dos personagens é idêntico ao de  D&D: Força, Destreza, Constituição, Inteligência, Sabedoria e Carisma. Aparentemente, os personagens correspondem ao nível 4 do jogo de dados. A lista de magias é a mesma dos Manual do Jogador: tem as Arcanas (Raistlin) e as Clericais (Goldmoon, Reverwind e Sturm), o componente essencial é a Esfera Magius ou o Bastão Blue Crystal, embora as mágicas não sejam da melhor listinha...    

O terror de não ter um manual é o sistema de combate (agradeçam ao nosso amigo, o Matheus T. porque eu já tinha esquecido da época que aluguei): você deve segurar o botão 1 e apertar o direcional para o inimigo para o lado ou diagonais. Usando o botão 2 você acessa o Menu e usando a opção Use você pode trocar de arma. Para saltar os abismos, você pode correr apertando a diagonal superior (menos Raistlin), saltar ao apertar o 1 (Raistlin não salta, flutua). Antes que alguém critique, este salto é mais realista que na maioria dos jogos, em que o personagem salta na vertical 3 VEZES SEU TAMANHO SEM IMPULSO!
      
Dica: Goldmoon pode ressuscitar personagens enquanto o rosto ainda estiver cinza,
 então poupe-a. O personagem  ressuscitado deve pegar (opção Take) os pertences de volta. 
Se Goldmoon morrer, entregue o Bastão para outro personagem clerical como Sturm, que não usa armas de arremesso.

As classes de personagem obedecem aos padrões de D&D, apenas é lamentável que a Tasslehoff sai prejudicado no game, pois não pode escalar paredes, abrir portas ou se esconder dos inimigos (bobeada dos programadores!). Sua vantagem está no combate à distancia e na desativação de armadilhas.    
De dragões estamos bem servidos: dos 10 inimigos básicos, 3 são derivados da espécie e dão muito trabalho: Raaz (Draconiano Batedor), Rozac (Draconiano Mago) e Matchling (Dragão Negro Filhote). Infelizmente, nenhum dos NPC's do jogo são aliados, todos te querem morto, mesmos os humanos e os anões Aghar. 

SOU METAL, ME SABE O SOPRO DO DRAGÃO... 
Bem, quem acha o jogo pauleira, mas quer terminá-lo, seus problemas acabaram! Em pouquíssimo tempo, vai rolar o Guide completo do game! (mais rápido que o Guide da Turma da Mônica!... Ops! =S) Pegue as armas e vamos pra luta!


11 comentários:

  1. parece um jogo interessante de se conhecer. valeu pela dica, nunca joguei caverna do dragão no tabuleiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! O comentário hoje deu o ar da graça!
      Leandro, não é aquele action game, mas seus conceitos me prenderam a atenção. E sim, o Desenho Caverna do Dragão realmente é inspirado em D&D, que também adoro jogar.
      Abraços.

      Excluir
  2. Nunca ouvi falar desse jogo mas o seu estilo não me agrada parece ser meio complicado de se jogar .

    ResponderExcluir
  3. Agora fiquei tentado a jogar este game, mesmo vendo os videos ainda não consigo gostar dele mas o seu post me animou a dar uma chance a HOTL. Mas creio que vou esperar seu guide pra ver como se joga e tudo mais. :)
    E Rodrigo, eu tava pensando aqui, já tentou comentar clicando em responder e depois no campo "comentar como" selecionar "Conta do Google"? Ao fazer isso o blogger pede a sua senha e assim vc deve conseguir voltar a comentar no blog.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Lembro de ter alugado este jogo umas 2x, porém não me lembro de tê-lo terminado...
    Agora o mais engraçado: eu li a trilogia DragonLance +/- em 2005, mas não fazia ideia de que este jogo era baseado nela!
    Tambem estou no aguardo do guide para pegar novamente este "dragão negro" e finaliza-lo com muito prazer!

    ResponderExcluir
  5. um jogo para ser conhecido, ja que joguei muito ad&d nos tabuleiros durante horas com meu grupo de loucos por rpgs rsrsrsrs

    o jogo devera me proporcionar aquele sentimento novamente

    ResponderExcluir
  6. Quando fiz a "Cruzada Master System" no Gagá Games, uma pessoa me escreveu pedindo que eu fosse paciente quando chegasse ao Heroes of the Lance. Essa pessoa dizia que o jogo era meio tosco, mas que tinha um clima legal, umas ideias bacanas etc etc etc.

    Quando peguei o jogo, de fato achei meio toscão. Depois de vinte minutos, larguei. Mas aí lembrei daquele email e decidi dar uma segunda chance. Joguei, joguei, joguei e acabei curtindo muito, mesmo sabendo que está longe de ser perfeito. É difícil pra diabo esse negócio aí!

    Acho que para curtir o HOTL a pessoa tem que entrar no clima, usar a imaginação para ver aquilo tudo acontecendo.

    ResponderExcluir
  7. Opa valeu Rodrigo pelos créditos e parabéns pelo ótimo texto!
    Confesso que nunca ia conseguir elaborar uma matéria dele pois apesar de saber jogar, eu não tenho o mínimo de conhecimento sobre esta série. Eu particularmente acho que fizeram um bom trabalho ao portar esse jogo para o Master, os gráficos ficaram fantásticos! Tudo bem que ele tem lá os seus defeitos, principalmente com o controle, mas nada que um treino e paciência não resolva.

    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enfim, o coment tá aparecendo, ora sim, ora não! Aff!

      @rock é um jogo realmente que no inicio vc quebra a cabeça pra jogar! Abçs

      @Adinan bom, os videos que tem, os caras apenas "correm" atravessam a dungeon,ainda não vi ninguém realmente jogar, e isso é uma tarefa espinhosa... curta o guide, que já tá lá a parte rápida do jogo! Meu coment continua bizarro aqui! hehehe

      @Andre é meio pelo romance que cai neste game, quando joguei não o conhecia, não o entendi muito, etc. Depois, como bom RPGista li uma parte dele, aí curti mais este jogo e tive obsessão em zerá-lo. Abçs

      @Duck sinto que o jogo é para RPGistas mesmo, poucas vezes cativa os jogadores alheios à estória ou ao AD&D, bons tempos. Não acho ninguém pra jogar RPG no Guarujá... :P

      @Orakio eu li a Cruzada Master System! rss E tem razão, é tosco com idéias boas. Parece que um filme que tem um bom roteirista, mas um mau produtor! rss Tem que usar imaginação, pois quem não usa vê uma partida de RPG como um bando de loucos falando coisas que estão fazendo (sentados) e jogando dados... Abçs

      @Matheus você me deu a luzinha pra pegar o game de novo, isto é, sem vc nada de review nem de guide. A versão Master é ainda a melhor. Mas realmente, nem todo jogo com problemas, não quer dizer que você não consegue se divertir! Abçs!

      Excluir
  8. Excelente jogo. Agora com essas dicas, ficou mais interessante ainda de jogar!!!!! Parabéns, amigo...Nota 100000000

    ResponderExcluir