segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Master Review - Golden Axe Warrior (1991)


Barbaridade-tchê! Retornamos aqui com a série Golden Axe. O hack n' slash mais famoso da SEGA, com grande variedade de títulos, lançado para vários consoles (Game Gear, Master System, Mega Drive, Saturn). A série entre 1989 a 1994 contava com diversos gêneros: 4 action games (GA 1, Revenge of Death Adder, 2 e 3), um fighting game (The Duel) e um RPG (Warrior). Faltou apenas uma corrida de bigas entre Ax Battler e Death Adder... O Master System foi agraciado com os 2 primeiros títulos da série, Golden Axe (1989) e Golden Axe Warrior (1991). 



NESTA TERRA DE GIGANTES, QUE TROCAM VIDAS POR DIAMANTES...
Em Golden Axe Warrior, o enredo é bem parecido com os outros títulos: Death Adder, o Titan malvadão, destrói a harmonia do Reino de Firewood derrubando a casa real dos Elders (Anciões) com suas bestas-feras. Para permanecer seu domínio, Nove cristais foram escondidos em diversos labirintos dos 3 continentes.  Você é um guerreiro que (só pra variar) teve seus pais mortos por Darth Vader, digo, Death Adder e quer vingança. Sua missão é conquistar os nove cristais para conseguir a única arma que pode vencê-lo: O Golden Axe!

Como muitos sabem, dizem que o jogo foi produzido para concorrer com Zelda no NES. Mas ele se propõe a outras coisas além de uma mera cópia.  

Confesso que aluguei esse jogo pela capa do Guerreiro com capacete e escudo, e o nome GA e depois de um tempo, não quis mais joga-lo. Esqueci-o na memória, e agora como retroplayer, corri atrás e comprei um completinho. Estou jogando mais maduro e adorando desbravá-lo.

GRÁFICOS E SONS
O trabalho gráfico, como já dito pelo nosso amigo Adinan, é um dos melhores do Master. Eu confesso que quando aluguei esperava bonecos mais do porte da série GA ("O quê? Bolinhas pulando no meio das arvorezinhas? Isto é um parquinho?!"), não personagens pequenos de RPG, injustiça de minha parte naquela época. A música é bem elaborada. Mas a da abertura rouba a cena. Aliás, deu um frio na espinha quando encontrei o anão Guilius (Guilian) ao som da trilha da Fase 1 do primeiro game (a mais famosa!)... Apenas acho que poderia variar por ambiente (campo, deserto, pântano) para evitar repetição.

Dica: Como em Wonderboy, você parar projeteis colocando  o
escudo na frente , mas  apenas magias podem ser usadas sem baixar a guarda.

ISTO REALMENTE É UM GOLDEN AXE?
Sim, fãs xiitas tem todo direito de protestar. Eu fui um deles. Tem gente que acusa o game de clonar Zelda  e usar o nome da série pra vender. Eu nem joguei Zelda direito, mas sei que não é bem assim, como Street Fighter, Zelda criou um estilo, que foi seguido depois como em Golvelius. 

Depois que percebi este ponto, procurei perceber se isto era mesmo um GA. Dos elementos que acho que poderiam ter investido da série seriam as montarias dos guerreiros (imagine o bonequinho montado num dragãozinho?) e uma vila em cima de uma tartaruga ou uma águia para chegar até Death Adder, isso seria show de bola...
Mas o que temos de Golden Axe? O primeiro ponto que percebi era os power-ups de life, o pão e a carne. A magia em potes também, mas não pegamos de duendes, compramos em lojas. As vilas e pessoas são destruídas pelos inimigos no caminho exatamente como vemos em toda série Golden Axe. Os vilões, ignorei as abelhas e bolinhas, e uma boa dose deles reconheci: tinham os esqueletos, os cavaleiros gigantes num tipo de cemitério, os grifos que a gente monta (como inimigos), e assim que vi que o primeiro boss era o mesmo gigante gordo, me dei por satisfeito.

Mas não é só isto: reconheci depois os homem-bodes gigantes, boss de GA 2 por lá também. E o maior charme do game é encontrarmos Guilius Thunderhead, Ax Battler e Tyris Flare ao som da trilha do primeiro jogo, quando olhei no manual sobre os pergaminhos mágicos, já tinha um palpite de quem ia me dar cada magia...
O Gordão do Martelo voltou! Eba!
    
ISTO REALMENTE É UM RPG?
Mas você não quer uma mera cópia de Golden Axe, né?
O sistema de combate lembra bem Wonderboy, as espadas vão mais longe mas os machados tem mais raio de alcance nas laterais, o que seria mais correto sendo lança e espada respectivamente, mas neste jogo, machados tem prioridade, né?
O game nos dá um repertório de opções divertidas, encontramos até Orcs (no manual, Homem-com-focinho... =P), Lagartos, Gigantes, dinheiro em Chifres (!!!) e Sábios que aumentam mais o clima bárbaro. Dragões, Fantasmas e Feiticeiros dão o clima medieval da ambientação.
Temos vários itens para ampliar a movimentação, de canoa para os rios até corda para subir montanhas (nunca vi um bárbaro que não sobe em corda, só o Battler! =P).

Temos tavernas para dormir (Estrela) e comprar itens (Balança), o save point é um encontro com um Sábio (haverá uma tocha atrás dele). Encontramos ainda (no estilo Zelda de cortar árvores e pedras pra achar casas ocultas)  Cassinos para jogar (!!!), velhinhos generosos que doam dinheiro e velhinhos que roubam você! Pow, lembraram dos duendes ladrões de magia? Porque não colocaram os duendes pra roubar magia ao invés de dinheiro?... Pensando bem, melhor deixar pra lá! seria pior...

CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Para quem curte um bom RPG, Golden Axe Warrior não deve ser desperdiçado!  É divertido, de dificuldade justa (será?) e bem feito, coisas que só a SEGA de antigamente sabia fazer.
Para nossa alegria, em conversa com o Adinan, foi decidido que vai e deve rolar o Diário de Bordo com nosso guerreiro, contaremos nossa jornada aos pouquinhos apenas contando com o manual da Tectoy. Que Thor e Mitra nos ajudem...

10 comentários:

  1. Um jogo bem interesante viu já tinha ouvido falar dele mas nunca joguei.Forão os poucos jogos de que joguei de Master mas lendo agora esse post que acabei curtindo o fato dele parecer um pouco com Zelda.
    Deixa eu acabei de zerar alguns jogos que vou ver se eu começo a jogar ele pra ter uma noção da série GA eu só joguei o GA 3 e o Death Adder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então vai demorar um pouquinho! rss Mas mesmo que demore, jogue sim, rock! Divirta-se.

      Excluir
  2. Na época de vida do meu Master, nunca cheguei a jogar o GA original, porém tive a oportunidade de comprar o Warrior. Tá certo que foi numa ferinha perto de casa, heauheuah, mas valeu muito a compra. Me lembro que no dia compramos à caminho da casa de parentes, e tive que esperar até o dia seguinte pra jogar, saindo correndo da escola louco pra conhecer o jogo, kkkk
    Bem, tinha um save dentro do jogo (o que já era uma surpresa pra mim), e estava bugado, com cores invertidas e num cenário sem sentido. Impressionante, mesmo aquele cenário bugado me chamou a atenção. Depois voltou ao normal, e gostaria de ver o bug de novo, por curiosidade, haha!
    Foi um jogo que marcou minha infância e vida gamer durante anos, e nem sabia que tinha mesmo tantas referências dos jogos originais da série, que vou agora começar a pesquisar e jogar pra conhecer cada vez mais! o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Incrível que quando somos mais novos e viamos um bug, ao invés de espernear, davamos risada.
      Mas esse jogo só depois que reconheci o valor, e hoje tá na minha lista de TOPs.
      Abraços.

      Excluir
  3. Ótimo review Rodrigo!
    Eu não tive a oportunidade de jogar esse jogo quando tinha o Master, só descobri depois com a emulação. Ficou muito bacana essa ideia de colocarem elementos de RPG/exploração nesta série. Até que seria interessante ver outros Golden Axes nesse estilo.

    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se essa idéia de tornar paralelo RPG e action pegasse, seria uma evolução enorme na franquia, pois com certeza maisuma versão RPG influenciaria muito a edição das versões actions, assim aconteceu com Samurai Spirits. Infelizmente, GAW ficou relegado apenas a um quase off-spin no Master.
      Abraços

      Excluir
  4. Excelente review! Tô jogando no PS3 e curtindo bastante. Anda não me parece muito um Golden Axe mas sei que mais pra frente hei de ver algumas referências da série. No geral tô curtindo bastante. :)

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe o que tornaria de um Golden Axe indiscutível, Adinan? Apena se as musicas fossem mais parecidas, ninguém torceria tanto o nariz como um game oficial da série. Vou andando com o Diário de Bordo.
      Abraços

      Excluir
  5. A Sega devia ter aprontado mais destas.:
    "Não tinha um Castlevania? Faz-se um Master of Darkness.
    Sem Zelda? Que seja um Golden Axe Warrior então".
    Como a Nintendo monopolizou o mercado naqueles tempo, mantendo as empresas sob "punho de ferro contratual", este artifício de clonar sucessos deveria ter sido mais explorado.
    Uma coisa é certa, a "Mãe do Sonic" não tinha nada à perder... competência para fazer ótimos games, tinha de sobra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A SEGA realmente tinha talento em fazer versões originais de um mesmo estilo de jogo.
      Eu to me surpreendendo enquanto caminho com este game, descobrindo um jogo grande e grandioso.
      Já estou na parte 7 do Diário de Bordo, mas escrito tem apenas o 1. Confira lá!
      Abraços.

      Excluir