sábado, 5 de março de 2016

Master Review: Castle of Illusion Starring Mickey Mouse (1990)

Cada cartucho que aluguei em minha infância, de alguma forma foi especial. Alguns, mais especiais do que outros. Recordando com mais carinho, consigo apontar que mesmo cartuchos que possuí (comprados/trocados) não tiveram a carga de lembranças ou algum destaque importante na minha vida gamer. Isso em parte, se deve ao fato de alugar o dito cujo.


Alugar era a "aventura" do final de semana. Acordar cedo, pegar o ônibus, esperar a locadora abrir e correr para a seção do Master System - e as vezes fazer o mesmo para o Super Nintendo (heresia!!!!!). Lembro com muitas saudades de cada manhã e conversa entre as prateleiras com a molecada que estava por lá. O troca-troca de informações era tão (ou quase) emocionante quanto a maratona de tarde-noite-e-madrugada tentando passar a fase de algum jogo.

Sem mais enrolações: Castle of Illusion é especial para mim como poucos jogos foram. Mas num nível especial; acima de outros cartuchos que já tive contato. Esse foi o primeiro jogo alugado que zerei (terminei/detonei) em minha vida - e talvez, aí resida a minha primeira lembrança mais marcante como gamer. Como muitos eu saí do Atari e logo de cara fui apresentado ao 8-bits favorito do pessoal do QG. O salto de qualidade, e as minhas impressões como jogador, mudaram muito - Mickey Mouse e seu primeiro jogo tiveram sua contribuição para isso.
Apresentação do jogo: simples, bem feita e cativante
Gosto de destacar (e reforço muito esse comentário) que a parceria Disney-Sega foi muito feliz em todas as suas escolhas. Trazer um personagem clássico para um entretenimento novo (os videogames) foi algo arriscado, e digno de elogios devido a qualidade muito boa dos jogos. Com Castle, não foi diferente: apesar de ser uma versão do game lançado para o Mega Drive, cada aspecto do jogo, seja gráfico, movimentação, música, efeitos sonoros, animações; compõem um cenário agradável com diversos elementos perfeitamente combinados.

A história continua o velho e bom clichê: "Salve a Princesa" (ou 'Salve a Minnie'). Não que isso importe, seja hoje ou na época da minha infância. Muitos devem ter pulados as cenas iniciais para estar no controle do rato da Disney pelos cenários coloridos o mais rápido possível. Coloridos? Sim, esse é o primeiro detalhe que mais chama a atenção do game. Usando e abusando de cores, nos sentimos num desenho animado com elementos de cenário se completando muito bem com plano de fundo, inimigos, plataformas e itens.

Mickey usando um objeto do cenário como arma
Além disso, somos brindados com aquele traço cartoon tão característico dos desenhos, como por exemplo, inimigos com olhos e feições humanas - destaque para os chefões divertidos e bem característicos para cada fase. 

Chega de falar dos aspectos técnicos!
Castle é, na minha opinião, o melhor game de Plataforma "puro" do console. Falo isso pois considero Sonic the Hededgehog com uma pegada mais ação e Alex Kidd in Miracle World e Turma da Mônica O Resgate (ou Wonder Boy III) com outros elementos que os tornam especiais cada um ao seu modo. O game de Mickey Mouse é um Plataforma sólido, com todas as características que tornaram o gênero o preferido da época e da geração seguinte.

Fase do relógio: uma das minhas preferidas
Além dos pulos sobre inimigos (bem característico do estilo), pode-se arremessar objetos dos cenários e ainda contamos com "mini puzzles" como quando temos que carregar chaves para abrir certas áreas - todas necessárias para o término de fases - ou mesmo para encontrar vidas e itens de bonificação. Tudo muito simples e intuitivo.

Aliás, simplicidade essa distribuída ao longo de suas fases, sem necessidade de tutoriais ou manuais - e aqui ainda abro um parêntese para o modo Pratice à disposição do gamer no início do jogo; por meio desse modo, é possível jogar algumas das fases de forma resumida. Qualquer elogio é aplicável a Castle e seu excelente game design.
Última fase: Algumas surpresas e sacadas bacanas
A parceria trouxe excelentes games nos anos posteriores que superaram o pioneiro. O segundo game de Mickey para o console é bastante enaltecido, e muitos o consideram melhor (ou ainda O Melhor jogo do 8-bits). E não retiro o mérito: Land of Illusion é fantástico e tão bom quanto. Eu entendo, porém, que Castle of Illusion seja o molde mestre de tudo que a Disney coproduziu nesse dueto com a Sega, e ainda que tenhamos excelentes ovos nessa cesta, estrelados por outros personagens, o primeiro produto ainda me surpreende muito nesses anos e anos em que o jogo novamente...


Tenha um bom jogo!

7 comentários:

  1. Me lembro de ter visto esse game pela primeira vez na casa de um amigo de escola e de ter visto ele zerar ele no mesmo dia.Naquele tempo eu não tinha a manhã de jogar jogos assim só ficava na torcida para ver o final.
    Depois de anos fui jogar no Master System que meu irmão comprou pra tentar zerar e me lembro de ter não conseguido bons tempos viu esses.

    ResponderExcluir
  2. Me identifiquei bastante com a sua estória, porém a minha tinha a diferença de ir de bike ao invés de ônibus para a locadora todo final de semana.
    Este jogo também foi um dos que mais aluguei, mesmo já tendo zerado acabava alugando outras vezes, principalmente quando a locadora fazia "promoções se levassem mais jogos para devolver com mais dias" nos feriados prolongados...
    Parabéns pelo excelente post!

    ResponderExcluir
  3. Caramba. Baita jogão! Esse vale a pena.
    E bélissimo review, parabéns!!

    Há 2 anos atrás fiz também um review do mesmo jogo.
    Se achar interessante, pode dar uma lida aqui:
    http://msx-gold.blogspot.com.br/2014/04/os9.html#os9

    ResponderExcluir
  4. baita jogo. Tive q jogar depois de ler aqui.

    ResponderExcluir
  5. Este jogo também foi um dos primeiros que zerei no Master System, um belo trabalho desta dupla dinâmica dos 8 bits, recentemente fiz duas lives zerando Castle of Illusion, Legend of Ilusion e o Land of Illusion, além do The Lucky Dime Caper e mesmo depois de tempo sem jogá-los a diversão se manteve a mesma. Os jogos não são difíceis, mas possuem um desafio gostoso que dá satisfação ao jogar.

    ResponderExcluir
  6. Este jogo também eu tenho como fenomenal, a capa sempre me instigou, tanto a do Master quanto a do Mega, e aluguei num daqueles finais de semana (com minha irmã que ainda jogava games), foi uma madrugada memorável com aquele música hipnótica e aqueles gráficos cheios de vida e movimento. E jogávamos o Pratice como console em não zerar o Modo Normal. De todos os jogos Disney, é o que mais gosto. Eu passo aperto na fase do Relógio, mas gosto demais deste game. Ótimo review! Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Amava de paixão! <3

    ResponderExcluir