quinta-feira, 15 de março de 2012

Os Piores Games do Master (???)


Oi moçada!!
É o Rodrigo de novo, criando polêmica. Este post fiquei com o coração na mão de escrever, e também um certo medo de voarem tomates em mim, ou no mínimo xingamentos nas minhas redes sociais. Amo pacas o Master System, o único game que tive depois foi o Playstation que nunca cuidei tanto e dediquei como o SMS. Mas paixão é cega, amor não. Até sua namorada ou esposa que você ama de paixão, não é cego sobre certos detalhes, mas aceita-os. 
Ao invés de indicar, preferi discutir um pouco os critérios que temos para definir um game como bom ou ruim.
O MOTIVO
Na minha condição de retrogamer recuperando o tempo perdido, me lancei à compra (Sebos e Mercado Livre) de velhos games, e uma coincidência me chocou: dois games que eu tinha encomendado por MUITA curiosidade em jogar e pareciam bons, li num outro retroblog que eram (os dois!) os piores games do Master. Putz! Não era possível, achei um  exagero, lembrando de tantas idas frustradas na locadora. Aqueles games não pareciam tão ruins.

O Game mais "pobre" do SMS.
É PORQUE É DE POUCA MEMÓRIA?
Eu sei o que era ter um Master System nos anos 90. No subúrbio da minha velha cidade eu era tido como rei. Quando me mudei pro centro, embora não faltasse títulos bons na locadora, eu era totalmente isolado: todos só jogavam Super NES e uma minoria Mega Drive. Eu era considerado um PR, isto é, Pé rapado (Mas com o carrão que meu pai desfilava, tava mais pra pão-duro!) A galera sempre culpava o Master pela pouca memória, ouvia: "Cara, esse Chapolim deve ser uma droga! Só tem 1 Mega!"  Talvez um dos jogos que me arrependi tremendamente de alugar foi o My Hero que foi mudado o nome para Gang's Fighter (este jogo não tinha a pretensão da época de se comparar com Street Fighter, não né?!:o) ele tinha menos de 1 Mega, tinha 256K!!! É pra ficar bolado! Economizaram tudo no game, menos na dificuldade. Muitos colegas tinham o hábito de medir o game pelos Megas, na listinha de jogos de 4 Mega viamos Phantasy Star, Golden axe e Strider. Jogo que prometia, a Sega não economizava. Só jogões! Nada mais falso pensar por aí: Fantasy Zone com o robozinho Opa-Opa do Zilion era divertidíssimo, e um game simples. O Black Belt era o jogo beat n' up preferido, era simplíssimo os gráficos, as músicas eram repetidas. Batia Streets of Rage e Double Dragon, e só tinha 1 Mega!!
O que era bobo, ficou pior: Teddy Boy virou Geraldinho!

GAMES PRA CRIANCINHAS E MENININHAS?
Vivíamos uma época políticamente incorreta. Eu, como a maioria dos moleques na pré-adolescência (dependendo de onde moramos, querendo demonstrar masculinidade) queríamos era jogos com cara de adulto, no início o Double Dragon podia ter um gráfico hoje infantil, mas era um game de luta! Depois esse gráfico foi abolido para os demais jogos de luta.  Bater em gangues (sempre por causa de uma mina) era mais legal que pular em cima de monstrinhos. Os tempos mudaram e hoje os moleques que só pensavam em cortar cabeças, veem valor em jogos mais infantis. Psycho Fox, Asterix e Mônica eram jogões, e o público alvo eram crianças. Mas apesar do sucesso, eu cheguei a ouvir comentários infelizes sobre esses games: "Jogo de menininha essa Mônica... pegar moedinha, mandar cartinha de namorado na piramide do Duque..." Era isso, o tempo reabilitou esses games, deixando velhos gamers mais maduros. Mas jogos que trocam a emoção de lutar contra algo (não precisa ser com karatê ou uma uzi!) por situações domésticas como Alf ou The Flinstones pode ser um desastre.
Um dos "Cavalos de tróia" do Master, the Flinstones.

FÉRIAS OU EXPECTATIVAS FRUSTRADAS?
Em certas análises vi que facilmente algum retrogamer declara "esse é o pior jogo do Master" enquanto percebe-se que há muito da própria expectativa pessoal do jogador com o game em questão. Pessoalmente, eu não gosto de Rampage, acho que poderia ser muito melhor um jogo com a proposta de jogar com monstros que destroem prédios, mas sei que pra muita gente o jogo é bom! Tirando minha experiência pessoal, posso julgar o jogo com alguns méritos. Pior quando é jogo de personagem famoso ou conversão famosa. Mortal Kombat 3 e Street fighter 2 é uma disputa ideológica: alguns odeiam e acham que nem deviam ter feito e outros absolvem pela tentativa sendo melhor ter esta opção que nenhuma pros donos de Master, mas sinto que é o emocional em jogo que conta nesta polêmica. Os Flinstones, sim, são um xarope. A Artbox engana em muito, a versão NES que era uma aventura contra ET's é muito melhor.

Os super-heróis então, é um tribunal cruel. O Spider Man: Return Sinister Six, foi acusado por um gamer que conheço como O PIOR game do SMS, sob esses requisitos: gráfico simples controles duros e dificuldade excessiva. Achei exagerado (ele não lembra de Teddy boy???) é claro que o primeiro Homem Aranha era muuuito melhor. Mas eu sinto que a intenção da Flying Edge nesse game era trazer aquele clima de HQ dos anos 70. Daí os gráficos simples. A música apesar de repetitiva era muito boa!  Os controles realmente não tem desculpa, mas como me diverti com esse game!
Games dificeis demais são como os fáceis demais: frustram. O muito fácil enjoa e o muito dificil faz o jogador desistir. Mas apesar disso nunca ouvi alguém detonar o Kenseiden por ser difícil.   E como era!

Tom e Jerry: seguir literalmente um enredo pode ser péssimo num game.
 Ponto positivo pros que preferiam adaptar pra salvar o jogo.

Os games da Tectoy que hackearam e criaram títulos famosos para chamar a atenção, são um caso a ser visto. O personagem famoso melhorou um game fraco (Chapolim x Drácula), tornou um game bom em melhor (Turma da Mônica: O Resgate) ou simplesmente tornou um game ruim em pior (Geraldinho). Algumas tentativas não deram certo como Férias frustradas do Picapau, tanto no Master como no Mega Drive, o que prova que o poder do console não diz nada. Gráficos e sons não são pretexto para um game ser ruim, mas se uma jogabilidade boa e variada não ajudar, uma musiquinha ruim era suficiente pra devolver pra locadora antes do tempo. O Black Belt  com seus gráficos e sons simples e iguais, sem colisões de personagens elaborada, mas divertidíssimo, nos prova isso.

CONCLUSÃO
As razões por que um game era ruim estavam na tentativa de inovar ou seguir literalmente uma fórmula que não pegava e não era divertida. Mas felizmente, o Master é lembrado pela sua coleção de ótimos títulos, ganhando em maioria daqueles que devemos esquecer da história.


20 comentários:

  1. Como colecionador acho sso dai dos piores jogos muito relativo...Confesso que quando comecei a jogar my hero, detestei, assim como kenseiden..mas cheguei bem longe nos 2...mas como foi dito, desisti antes do final...não sei qual o pior jogo..dos que eu tenho com certeza o pior é super futebol!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que eu quis dizer neste post é exatamente a questão do "pessoal" no jogo. É relativo sim, e isso que eu queria dizer. Mas o Kenseiden é muito popular, embora é dificil. O My hero não encontrei nenhum que gostou.
      Abraços.

      Excluir
  2. Que post triste. Fiquei deprimido...
    huuahuhauha
    Ainda não consegui ler, to no trampo, depois leio e comento. Ah, e claro, opino! heheh
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Putz, deprimi o chefe! por isso temi tanto postar esse texto! heueueheue Prometo que não repito mais, antes que seja demitido! Ô polêmica!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. HAHAHA, relaxa Rodrigão! Você fez o que a gente já devia ter feito antes e não teve colhões! Você mostrou os pontos fracos do nosso querido Master, doa a quem doer, com a cara e a coragem. Parabéns!
    Repita mais vezes sim! Caso contrário vai ser demitido!!! uhahuahu, brincadeira.

    Cara, nosso amigo anônimo ai acima falou tudo, jogo ruim é relativo.
    Você listou algumas pérolas e ele mesmo citou Super Futebol.
    Eu amo Super Futebol. Mas pq pra mim é nostalgico. Toda vez que jogo lembro da emoção da primeira vez quando tinha acabdo de ganhar meu Master. Os gráficos dos penaltis eram pra mim surrerrais.
    Dos que vc listou, acho My Hero indiferente. Um jogo difícil e simples mas que de certa forma diverte. Desde que se tenha paciência. Muita paciência. Nem de longe é um dos meus preferidos, mas pra mim pior é Back to the Future II que odeio veementemente.
    Férias Frustadas do Pica Pau deveria sim se chamar Tentativa Frustrada da Tec Toy. Mas Flintstones e Tom & Jerry são jogos fracos que eu aprendi a amar. Assim como Indiana Jones que é tão odiado e eu gosto.
    Spider Man the Return of the Sinister Six ainda compro pela nostalgia, pois eu tinha e aprendi a gostar, mas é um jogo travado e pode ser colocado entre os piores (nao pra mim e pra vc).
    Outros jogos que entrariam na lista é The Crash Test Dummies e Shadow of the Beast. Ainda assim gosto dos dois.
    E Teddy Boy... é uma bosta, mas uma bosta clássica e eu gosto tb... uhauhhauhuauha entende? Tudo relativo demais.

    Mas o seu post está um espetáculo, ótimo pela ousadia, coragem e personalidade.

    Esse posta daria um post digno de fórum para poder abrir para discussões!

    E o deprimido que disse que me senti, é pq mesmo tendo minha lista de detestáveis jogos pessoais do Master, odeio falar sobre eles, sinto que estou traindo a nação Master System, mas é importante falar sim.

    Forte abraço! E desculpa eu me estender no assunto. =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Leo!
      Você arrematou redondo o post!
      Eu também sinto trair a nação master, falando dos piores. Quis mostrar mesmo que o principal é gosto, meu trabalho é esse: descobrir pensamentos de grupo e encontrar padrões. Não era encontrar o pior, mas perceber "o tcham" que falta num game para definir o pior, que tanto ouvi nos blogs alheios.
      Meu primeiro game foi o Great voley, a pricipio foi "bora jogar" mas com o tempo passei a não gostar deste jogo, e vi que muitos também odiavam, mesmo assim, não enquadro entre os piores.
      A idéia deste post surgiu pela forma gratuita que lia "este é o pior game do Master". E games que eu achava legais.
      Valeu mesmo pelo coment. Abraços!!

      Excluir
    2. ......Ah, sim!!!
      Esqueci de citar o Back to the future 2!´
      Acho horrível!!kkkkkk

      Excluir
  5. Rodrigo, curti demais esse post! Além de citar os jogos que você menos curte, ainda fez uma análise durante o texto que achei muito gostosa de se ler. Ficou show de bola! =D

    Da lista, sem dúvida Flintstones é o mais tosco. Até agora não sei onde estavam com a cabeça quando fizeram aquele game, que além da música repetitiva tem uma jogabilidade péssima e nada divertida. Já Tom & Jerry eu gosto bastante. Apesar de ter uma jogabilidade travada com um quê de Prince of Persia, tem um conceito diferente e bem interessante.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadão, Adinan! Foi um esfroço pensar em como falar neste post.
      Acho que é algo que rola com certos filmes o que rolou com os flinstones: tentaram "inovar" o roteiro demais, achou que todo o resto não tinha importancia e logo, não agradou. A Artbox chamou muita gente pra jogar, mas não encontrei um que gostou. Tom & Jerry divide pessoas, nem odeio ele tanto assim! Até aceitaria de presente. hehe Mas sei que ele é impopular pra uma gama jogadores. de novo, a tentativa de inovação.
      Abraços.

      Excluir
  6. eu vou até ver cada um desses games que você mencionou. e já joguei esse do Geraldinho, não era Street Fighter, mas era bacana, tinha 5 anos. isso bastava para mim. Tom e Jerry, geralmente era legalzinho, mas a versão do SNES era MUITO melhor. mas a diferença de 8 bits é muita coisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Teddy Boy é um dos ancestrais dos clássicos do Master, não tinha pretensões, às vezes acho que os programadores eram bem ingenuos no inicio. A versão hacker geraldinho tinha uma intenção, foi feito pra crianças mesmo. Já o tom & jerry do NES e SNES era muuuito bom.

      Excluir
  7. Esse assunto beira os exemplos de política, religião e time de futebol: Todos tem suas opiniões formadas à respeito.
    Na época que ganhei meu Master System (MS - em 10 de dezembro de 1990), era fácil se deixar levar pela idéia de um jogo de 4 megas ser melhor que um de 1, até porque, os maiores eram os mais caros. Esse conceito era reforçado quando se colocavam esses mesmos no console... fatalmente veríamos recursos melhores em catuchos com mais memória. Mas, isto é suficiente para tornar um jogo realmente bom?
    Essa comparação, pelo menos para mim, caiu por terra quando joguei Vigilante (um game de 2 Megas) sendo que eu já conhecia o Black Belt (de "apenas" 1 Mega). Este último, inclusive, foi o primeiro game de Master System que vi antes de ganhar o meu (e maior responsável por pentelhar meus pais por um inteiro para ganhar um MS).
    Vigilante é um bom game, uma excelente conversão do original de arcade. Entretanto, seu rítmo lento e truncado acabou decepcionando um pouco. Já Black Belt, é uma pequena maravilha tecnológica. A Sega conseguiu dar um dinamismo absurdo ao jogo, isto com metade da memória de Vigilante. Black Belt conseguiu ter gráficos bonitos e bem coloridos (ainda que mais simples) e gameplay rápido e preciso... sem falar nas músicas que, de tão boas, estão na cabeça de muito marmanjo até hoje.
    Tem um game de 4 megas que achei um nojo, uma picaretagem de marca maior: Strider (de Master). Não consigo entender aonde gastaram essa memória toda nele onde, até o braço da personagem, sequer move para dar a espadada... parece um "bambolê" dando volta na cintura do cara. Fora que o jogo é lerdo, cenários pobres e a mesma música rola o jogo inteiro (se não me engano, até na tela de final).
    É sabido que alguns profissionais são mais talentosos e competentes que outros... em qualquer área, e podemos ver isto nos games também. Pegando outros exemplos, como Thunder Blade e After Bunner: No caso do primeiro, vemos um game quase tão bom quando ao segundo, e com metade da memória.
    Existem vários outros casos assim, só que, não adianta muito o game A ser mais bem construído que B (técnicamente falando) uma vez que, o gosto pessoal acaba fazendo toda a diferença.
    A única forma de ser mais coerente em julgar o melhor ou o pior jogo de um terminado console é, tão somente, por seus detalhes técnicos... pegando e jogando mesmo. Há coisas que não tem como discutir ou relevar como, se os gráficos são porcos; se um determinado comando não sai direito quando se aperta um botão; se a música é irritante de tão mal feita...
    Fora isto, vai cair no gosto pessoal e, aí, não tem como entrar em consenso de forma alguma.
    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Douglas.
      Novamente, o resumo de todo o post é esse. uma questão de gosto. Concordo com vc sobre a questão de memória não ser necessariamente capricho, os primeiros games do Master não tem jeito, eram simples mesmo os gráficos, mas controles travados, e notórias "preguiças" no gráfico não tem desculpa, hehehee. Ainda assim, tem games que dá pra se divretir muito, quando o personagem tem variedade de ações, as fases não são curtas. Até mesmo, personagens carismáticos contam. Com certeza, só dei uma segunda chance pro Moonwalker pq era o MJ como protagonista, e jogo direto. Outro personagem, anônimo ainda, talvez eu não curtisse.
      Acho que não é muito pra "ter consenso" absoluto senão ninguém diria que tal jogo é ótimo, tal jogo é ruim. São opiniões pessoais e recomendações. Gostos diferentes pq seres humanos são diferentes. E isso que torna legal opinar.
      Abraços.

      Excluir
    2. Ha! Ha! Ha! Eu cair nessa história também de 4 megas é melhor que o 2 que é melhor 1. Mas como você mesmo disse, muita memória não snônimo de ótimos jogos, apesar que tinha uma quantia considerado de jogos de 4 megas bons.

      E cara, nem me fale... eu comprei Strider pensando que veria uma coisa semelhante um pouquinho do Mega. Hoje só gosto... ou melhor, aprendi a gostar por causa do fator nostalgia que ele traz toda vez que jogo.

      Excluir
    3. Ha! Ha! Ha! Eu cair nessa história também de 4 megas é melhor que o 2 que é melhor 1. Mas como você mesmo disse, muita memória não é sinônimo de ótimos jogos, apesar que tinha uma quantia considerada de jogos 4 megas bons.

      E cara, nem me fale... eu comprei Strider pensando que veria uma coisa pelo menos semelhante com o do Mega. Hoje só gosto... ou melhor, aprendi a gostar por causa do fator nostalgia que ele traz toda vez que jogo.

      Excluir
    4. Big lui,
      Muito de nós "aprendemos a gostar" dos jogos. nos trazem nostalgias boas. O número de Megas não conta para ser divertido ou bem elaborado.

      Excluir
  8. Pô, pra que tanta tristeza em falar dos jogos ruins? O console não tem culpa disso! O Master System é como qualquer outro console, ele tem alguns jogos insuportáveis.
    Concordo contigo que a quantidade de megas de um jogo não quer dizer nada quanto à sua qualidade e diversão. Legal que vc citou alguns jogos que eram menores e são grandes clássicos de todos os tempos!
    Agora falar que Mônica é jogo de menininha... me desculpe quem foi que te disse isso, mas a pessoa não deve ter entendido como jogava e dava essa desculpa, na boa! hahaha
    Divertido que vc citou 3 jogos dos 5 que eu mais odeio: Flintstones (O PIOR EVER), Tom & Jerry e Teddy Boy. Rampage não sou muito fã também. E Chapolim vs Drácula eu me arrependo amargamente de não ter colocado na lista dos piores, eu tentei jogar esse jogo e me deu muito ódio.
    E falou bem quando disse que dificuldade não faz o jogo ser ruim, ainda por cima citou um dos melhores exemplos: Kenseiden.
    Vixe, me empolguei comentando como sempre! Mas gostei bastante de como vc abordou o assunto, ficou excelente o post!
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Caduco!
      é porque todos aqui são fãzaços do Master, dá sensação de não fazer boa propaganda pra galera que nunca jogou ou não tem memória...
      Vários joguinhos de 1 Mega eram deliciosos, Black Belt é unânime, Fantasy Zone ou Ms Pac Man, jogos da primeira safra, todos ótimos.
      O cara que me falou isso da Mônica, bom, era de um "tipo" de gamer comum na minha cidade que hoje parece extinto, botava defeito em tudo e um baita preconceito contra jogos coloridos, de desenho animado ou com mulheres, graças à D'us tá extinto! hehehe
      Da minha lista que não gosto, incluo o bck to the Future 2 que o boss Leo lembrou! (boa!!)
      Dificuldade sempre influenciou em gostar de um game. Amo 2 joguinhos fáceis (aladim e Capitain silver) por trazerem uma nostalgia boa. E os dificílimos amo.
      Apanho do Master of Darkness, mas cada dia gosto mais. Kenseiden e Ninja gaiden, era MUUITO dificil quando comecei a jogar, hoje zero os dois tranquilo (acredite!).
      E empolgue sim com os comentários, a galera masterística precisa disso!
      Abraços

      Excluir
  9. Sinceramente adoro os jogos mencionados ''ruins''. ''My Hero'' é um clássico para mim. Adoro Beat n'Up misturado com plataforma. O único jogo de Master System que eu não gosto dessa lista é o '' Os Flintstones''. ''Tom & Jerry'' do Master System e do Mega Drive são melhores na minha opinião.

    ResponderExcluir
  10. Eu gostei do ''My Hero'', ''Teddy Boy'' e ''Tom e Jerry''. Aliás, ''Tom e Jerry'' nos consoles da Sega são os melhores.

    ResponderExcluir