sábado, 27 de outubro de 2012

Master Review - Streets of Rage (1993)

Saudações, amigos! Rodrigo relembrando em Devaneio um dos clássicos mais queridos da Sega. Era uma época que a pancadaria estava em alta, e jogos de action ou briga de rua acumulavam fila nos fliperamas. Para quem gostava do gênero (9 em cada 10 garotos) Streets of Rage foi um game muito apreciado, considerado o Final Fight pessoal da Sega.



COMO BATER DIFERENTE?
A Sega nesta época procurava fórmulas de atualizar o estilo briga de rua, que nem era chamado beat n' up ainda. A maioria dos gêneros ainda era num oriente místico ou parecia algum filme de karatê dos anos 80 (ou o clip Beat It do Michael Jackson), entrávamos nos anos 90 com novas tendências. Gótico sem ser caricato, New Wave sem ser alegrinho, cruel sem ter disfarces. Foi nessa onda que Streets of Rage surgiu, era uma aposta em um jogo de estilo arcade poder estar numa telinha de Mega Drive. O sucesso foi tanto que acabou pintando ports para outros consoles da Sega, e o Master foi agraciado com 2 versões no mesmo ano. 
Boa qualidade gráfica, mas essa mina vai
extorquir pessoas ou  dançar no La Conga?...

FILME DO BRUCE WILLIS OU CHUCK NORRIS? 
Na estória do game, a cidade de Peace Town (cidade da paz?!) acabava por estar dominada por um terrível sindicato do crime comandado por um homem apenas conhecido do "Mr. X". A polícia, onde estaria ela? Totalmente comprada e subornada pelos mafiosos (Não, é EUA mesmo, não estamos falando do Brasil). 
Mas como é regra, nem todos concordam com a aquela nojeira. Três jovens policiais largam seus distintivos e partem eles mesmos pro quartel general de Mr. X, procurando sua cabeça. O negro Adam, fanático por boxe e bonsais (o mais disciplinado), o loiro Axel, fã de videogames e lutador de vários estilos (que as meninas eram fãs apenas porque lembrava o nome do cantor Axl Rose) e a moreníssima Blaze, judoca que jamais imaginaríamos ser professora de lambada! Os malucos vão desarmados, quase sozinhos (apoio à distância de apenas 2 policiais de viatura), o que faz você perguntar se não é um filme do Chuck Norris. 
Além dos gangsters tradicionais dos anos 90, com suas jaquetas, moicanos (nem existia Neymar!) e calças rasgadas, vemos  maníacos com garras, sujeitos que parecem saídos de algum tele-catch e bandidas de chicote, boina e cinta-liga (estranho que associavam na época criminosas com go-go girls). Só dispenso é um velhinho turbinado, podíamos ficar sem essa...
Mr. X tem um gosto bem excêntrico para contratar funcionários...

GRÁFICOS E SONS
Agora vou falar sério para vocês:  Port é port, então todos sabem que a qualidade do Mega pro Master caiu, mas até agora é Streets of Rage (o Um, por favor) é o Briga de rua com a melhor qualidade gráfica pro Master que conheço. Se houver outro, me avisem, please. Os cenários são detalhados na medida que os 4 Megas do cart permitem. O brilho dos neons contrasta com o ambiente escuro dos becos.  A movimentação do cenário é bonita, de quebra você sobe num elevador na última fase, e você consegue enxergar o rosto de alguns personagens. A versão Master tem mais variedade de cenários que a Game Gear, 8 ao todo. Você começa nas ruas, invade uma fábrica, entra num navio e sobe num elevador até o Hotel usado como quartel de Mr. X. A música basta relembrar que quem compôs a melodia original foi o mestre Yuzo Koshiro, famoso por temas como o de Sonic. A música ambienta bem um filme dos anos 90, com a trilha da tela de seleção de personagem você se sente num cassino, e as fases conjugam temas de música house e jazz. 
Tradicional fase de subir no elevador
panorâmico enquanto cai inimigo! 

EU, EU MESMO E BLAZE
Bem, para deleite dos jogadores de Master, é que as ruas do ódio guardam boas surpresas para um game do console. Primeiro podíamos escolher entre as 3 feras (no Game Gear, apenas os 2 da direita): 
Dá gosto de jogar com cada um deles!

Adam é bom de pulo e força, mas ruim em velocidade; 
Axel é bom de força e velocidade, mas ruim em pulo; 
Blaze é boa de pulo e velocidade, mas ruim em força;
O homem dos bonsais, o papa ficha de fliper e a rainha da lambateria!
A inovação neste game era o arremesso com pirueta: com o botão de pulo você "pulava carniça" sobre o adversário e jogava-o com o botão de ataque. Se o adversário te agarrasse, você podia chutar o parceiro dele com o botão de pulo. Também tinha o especial que consistia em ligar pros seus parceiros na viatura (1+2 durante a pausa) e eles davam um "recadinho" com a bazuca detonando os vilões, exceto na ultima fase.
"Pelego" é isso: fica longe, mas contribui na hora da zona!

Os vilões tem grande carisma desde o maluco do bumerangue, até as gêmeas chinesas de coque no cabelo, facilmente poderia fazer um fighting game com os personagens deste game (ah é, tem uma espécie de opção assim no Mega Drive, que pena! =( ). Na última fase, após mandar todos os chefões de novo para uma segunda coça, Mr. X não vê outra escolha senão ele mesmo lutar, mas o cara parece que se inspirou em seu colega de profissão (o chefão de Double Dragon ) e vem com uma metralhadora. 

CAVIAR? PREFIRO ARROZ COM FEIJÃO!
Assim comparo com o público do gênero beat n' up do Master. Com todos estes detalhes técnicos, os preferidos do Master ainda são Black Belt e Double Dragon que vieram primeiro e cativaram seu público, assim também os japoneses comparam o sucesso de DragonBall Z sobre Yu Yu Hakusho: o segundo é muito mais acabado em cor, som, com melhor enredo, mas o primeiro é mais popular. Para quem não conheceu, eu recomendo. Mas se você é exigente em relação a versão original,  melhor não se irritar com tamanho dos personagens e algumas colisões de queda. A única objeção que tenho por esse game é a mesma de sempre: só 1 único jogador! Mas mesmo assim, a Sega fez um bom trabalho neste port. Boa luta e limpe as ruas!


15 comentários:

  1. Está versão de Master eu não cheguei a jogar e nem sabia que tinha saido mas vendo assim parece ser bem legal viu.Só cheguei a jogar e também a zerar a de Mega Drive que é demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta versão para 8 bits é um arraso, Rock. Me apaixonei num final de semana que aluguei e esta semana comprei o jogo. Também vou investir semana que vem numa versão Mega.

      Excluir
  2. Os dois Streets of Rage de Master e Game Gear são diferentes entre si, o que dá três versões diferentes de cada jogo. E as versões de Master são melhores que a do Game Gear, mas é mais fácil apanhar que bater nesses jogos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso 3 versões. Os usuários de Game Gear advogam sua versão melhor apenas por "jogabilidade", mas em termos de tamanho e gráfico, a o Master é melhor.

      Excluir
  3. Não deve em nada a versão do Mega, se levarmos em conta as limitações do Master, claro. Quando joguei a segunda versão não senti o capricho da primeira, vá entender, mais um clássico e um grande post, valeu.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A do Master jogo mesmo com a Mega disponível. É bom e pronto. Mas a versão 2 foi um port a partir do Game Gear (o logo SEGA aparece em azul, saca?) O personagens são pequenos, muitos cortes e uma dificuldade sinistra!
      Abraço.

      Excluir
  4. gosto da versão do Master, por ser mais fácil de terminar o game. e curti a foto da Blaze, musa eterna desse game. heheheheh. muito boa essa matéria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blaze Fielding é mais uma musa da década de 90, e desta vez uma das poucas morenas (a maioria orientais e loiras), obrigado, Leandro!

      Excluir
  5. Acho que nunca joguei o SoR de Master. O de Mega dispensa comentários, melhor beat'em up de consoles de toda história (na verdade o 2).
    Porém, saber que não rola jogar multiplayer é um grande problema, eu diria. Mas um dia eu tento jogar só pra ver como é. Provavelmente vou me revoltar e querer jogar a de 16 bits, mas tranquilo! hehehe
    Ótimo review!
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Caduco, dos Briga de rua caseiros, eu voto no SoR 2 do Mega e SoR 1 do Master. Por questão sentimental preferiria Black Belt ou Double Dragon, mas em termos técnicos, Streets ainda é o melhor.
      Como eu sempre jogava Beat n' up sozinho não vi nenhum problema, mas me diverti. Abraços.

      Excluir
  6. Muito bom, jogo emocionante!

    ResponderExcluir
  7. Mas essa Blaze é um espetáculo hein...

    Opa, excelente review Rodrigo! Caprichadíssimo como sempre! =D
    Cara eu joguei muito pouco essa versão, fui jogar um pouco mais depois de ler o seu post, e apesar das limitações do Master este port ficou muito bom! Só é uma pena não ter multiplayer, mas no geral até as composições do Yuzo Koshiro ficaram bem legais nesta versão!

    Agora ficou uma dúvida...será que o Master possui muitos títulos de briga de rua? Taí uma idéia para um próximo Master Catálogo! =)

    Abração

    ResponderExcluir
  8. possui sim Adinan, estamos na espera do próximo catálogo.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro essa versão do Master System do ''Streets of Rage''. Também adoro o ''Streets of Rage 2'', mais divertido na minha opinião. Os cortes foram ocasionados pela dificuldade desta continuação. Detalhe que as fases são diferentes da versão do Mega. Eu adoro SOR 1 E 2 do Master System!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Eu tava jogando aqui as duas versões... É impressionante como a versão Master é praticamente idêntica à do Mega, salvo tamanho dos personagens e algumas animações (tipo o mar batendo) e cores. A SEGA tá de parabéns.

    ResponderExcluir