sábado, 16 de novembro de 2013

Master Review - Sukeban Deka II - Shoujo Tekkamen Densetsu (1987)


Saudações a todos!

Vamos tratar hoje de um jogo mais uma vez inspirado em anime, mas não lançado no Ocidente, que se popularizou pelos emuladores e pela tradução de fãs. Vamos investigar gangues de colegiais com uma linda anti-heroína, em Sukeban-Deka II.



MUSEU DE VELHAS NOVIDADES...
Uma época muito boa para os otakus brasileiros foi a hegemonia do Canal Locomotion/Animax. A partir dele, o público brasileiro e ibérico teve contato com animes desconhecidos até então, mas velhos conhecidos dos japoneses. Entre as pérolas, estava um OVA de um mangá bem antigo, porém cativante, e ainda atual para o público brasileiro.

Saki na Versão de carne e osso.

Era Sukeban Deka, que contava a estória de uma Delinquente (Sukeban), que a polícia aceita como Detetive (Deka) para investigar gangues dentro de escolas, tudo isto para tirar (ou só adiar) sua mãe do corredor da morte.


Seu codinome agora é Saki Asamiya, e para não levantar suspeitas, sua arma era um Yo-yo metálico. Suas colegas, Kyoko (“Okyo”) e Yukino. Com certeza, você se lembrará de brigas de escola em Yu Yu Hakusho ou super gangues como em Static Shock (Super Shock no Brasil). Sim, os ordeiros japoneses também possuem seus alunos deliquentes que vão muito além do bullying.   

Saki teve várias imagens, no mangá, no anime e no Live Action.
Na capa do Mark III ela aparece de cabelos azuis, diferente do jogo.

CADÊ O SUKEBAN I?
O período de 1986-1988 foi o momento em que SEGA ainda lutava com a Nintendo no Japão pelo mercado 8 bits. Na primeira safra foram investidos vários jogos baseados em animes e infelizmente, por motivos comerciais, os jogos ficaram restritos ao Oriente ou remodelados. Sukeban Deka II foi mais um destes investimentos em emplacar o Mark III.    
Cena do Shoujo Tekkamen Densetsu!
O jogo é chamado de “II” porque é inspirado no segundo OVA: “The Legend of the Girl in the Iron Mask e tem vários personagens da série de TV. O jogo é um action RPG que assume a mecânica de vários jogos. Basicamente funciona como outro anime-game bem querido aqui no QG, o Spellcaster, com um menu para diálogos, pegar itens e escolher cenários, do qual temos a sensação de ser o sucessor deste game. Já a parte action, você luta no estilo Double Dragon. E de quebra, entra uma parte do jogo que temos labirintos 3D como em Phantasy Star.  Você assume o papel de Saki Asamiya, mas para quebrar a monotonia, Okyo e Yukino participam com você no menu. Já a pancadaria fica por conta de Saki. Ela sozinha dá conta do recado.

GRÁFICOS E SONS
Apesar de ser à primeira vista um game interessante, os gráficos são de “estreia de console” como diz Adinan, as cutscenes tem desenhos muito básicos sem grandes detalhes, e o gráfico das lutas está no nível do Black Belt. Um dos bosses, o Yamato N.1, por exemplo, que é bem musculoso, é meio mal desenhado. Os sons cumprem seu papel, as músicas como na maioria dos anime-games do console são animadas, mas não são alegrinhas. O som do cursor fazendo “pim-pim” a cada escolha é que pode chatear numa investigação demorada de um cenário.
A versão em inglês está disponível pela Enigmaopoeia.

CONDENADA A SER LIVRE...
Você começa sua investigação no quarto de Saki com suas cumplices, já perguntando o que você fará, é na pressão que você investiga. O menu (se você encontrou a Rom em inglês) terá as seguintes opções nesta ordem:

MOVE – Move as três para o local escolhido. Às vezes precisa ir para o portão ou o Saki’s Room para escolher o novo local
SPEAK – Okyo inicia uma conversa.
TAKE – Saki pega um item especifico.
USE ITEM – Saki usa o item selecionado no inventário.
EXAMINE – Okyo (usando uma mira) investiga objetos e pessoas.
HIT – Saki toca e utiliza os objetos e pessoas. Funciona como uma forma mais especifica do Examine.
FIGHT – Saki cai dentro em quem está na sua frente.
DROP ITEM – Dispensa objetos do inventário.

À principio você utiliza o menu principalmente pra investigar as salas de aula e você é livre pra escolher a escola. Divertido é encontrar nas salas com o Examine, referencias nada úteis, mas divertidas ao Alex Kidd e Teddy Boy Blues e até Okyo encontra o mangá Pygmalio e o próprio mangá de Sukeban Deka. As meninas não são nada modestas no ginásio quando dizem que são mestras em basquete e ping-pong. E quando falha encontrar qualquer coisa, é recomendável usar o Hit. A opção Use Item tem uma curiosidade: entre os itens tem um Pendant, um cordão com a foto da mãe que ela contempla. Novamente, não é a utilidade, mas o complemento do enredo.

Dica: Antes de aceitar o desafio (Fight) coloque primeiro a Iron Mask (Use Item).
Você terá invencibilidade temporária contra o Boss.

Já as batalhas é a parte menos glamorosa: você primeiro enfrenta uma gangue de estudantes no pátio, e deve evitar a todo custo ser prensada na parede. Saki pode andar no fundo do cenário e usa dois ataques: o Yo-yo que acerta numa distância boa no chão ou com o pulo sem sair do lugar, e a voadora, que é acionada apenas com o salto pra frente. Este último ataque é útil mas demorado, pois Saki precisa completar o mortal pra enterrar o pé nos inimigos, o que torna difícil aplica-lo nos gangsters, sempre colados em Saki.

Já os bosses, tem outra semelhança com Black Belt. Todos eles tem um padrão de luta, e cabe a você descobrir a melhor forma de vencê-lo. Pelos diálogos, você nota que a famosa Saki é muito querida na escola...
 
Dica: Yamato só aceita golpes no rosto.
 Fique longe para ele correr e salte para jogar o Yo-yo na lata dele!


Digo que gastei um pouco do meu pobre fosfato cerebral para descobrir onde exatamente ia encontrar certos itens como a máscara de ferro (Saki seria parente de Luis XIV?) pensando que até professores poderiam ser cumplices dos vilões, até lembrar um pouquinho de quando assisti o anime, o que pode ajudar. Exatamente quando parecia previsível a investigação, apareceu o primeiro labirinto, não tem aquele efeito de PS, mas é um labirinto 3D, chegando eu a tomar um belo susto no fim dele...

Ah sim!  Não resisti em incluir: Também temos a Saki de cabelo Roxo!


CONSIDERAÇÕES FINAIS
Posso falar que apenas consigo imaginar este jogo, dado seu gráfico, suas músicas e enredo, num ambiente doméstico de adolescentes japoneses dos anos 80, nenhum outro lugar para ter sido conhecido em sua época (sim, eu tive vizinhos japas!). 

A principio parece um jogo simplório, mas ele vai te prendendo com criatividade, como qualquer jogo de busca.  Para quem curte animes mas não liga para jogos de gráfico básico, Sukeban Deka II não é um clássico eterno, mas pelo seu estilo único, é recomendado para jogadores retro e fãs de um bom anime. É hora de investigar!


2 comentários:

  1. Interessante esse jogo viu tenho que dar uma conferida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, Rock. O jogo tem um conceito bem inovador pra época, não dá sono! kkk Gosto muito!

      Excluir