terça-feira, 14 de outubro de 2014

Master/Mega/GG Review - OutRun (1987)

Saudações galera!

Depois de um tempão parado, estou voltando ao QG para mais um review. E dessa vez é um review triplo, igual o do Shapes and Columns. Vamos falar de um jogo que teve versões para as 3 plataformas da SEGA que cobrimos neste blog.





Hoje vamos falar finalmente de um clássico dos clássicos de corrida! Um jogão de arcade com uma proposta incrivelmente simples mas o suficiente para viciar fãs do gênero. Não há pódio, nem inimigos, apenas o prazer em pegar uma Ferrari e sair correndo pela estrada curtindo a velocidade alucinante e a paisagem, estando muito bem acompanhado.

OutRun é o clássico que vou analisar neste post! Aperte os cintos, dê a partida e aguarde a bandeira de largada para conferir este Master/Mega/GG Review. :)



  • Publisher/Desenvolvedor: SEGA/AM R&D Dept. #2 (MD)
  • Lançamento: 30 Jun 1987 (SMS), 9 Aug 1991 (GG), 1991 (MD)
  • Gênero: Arcade/Corrida
  • Plataformas: Amiga, Amstrad CPC, Arcade, Atari ST, Commodore 64, DOS, Game Gear, Genesis, J2ME, MSX, Nintendo 3DS, SEGA Master System, SEGA Saturn, TurboGrafx-16, ZX Spectrum
Como eu escrevi no início do post, a premissa de OutRun não poderia ser mais simples: você tem uma Ferrari, uma loira no banco do passageiro, e um tempo limite para percorrer a estrada, com checkpoints para aumentar o tempo. A idéia embora simples é muito divertida, deixando o jogador livre de qualquer complicações. Basta correr, desviando dos carros e se mantendo na pista até chegar ao final no menor tempo possível.

E esse tempo é implacável! Há pouco espaço para erros e os checkpoints à frente aumentam cada vez menos segundos ao tempo, deixando a partida ainda mais difícil. Como se não bastasse isso, o circuito não é tão simples assim, com diversos motoristas para ultrapassar, curvas perigosas e obstáculos que exigem cautela.

Apesar da dificuldade tradicional de um jogo de arcade, é um jogo muito, mas muito viciante. Assim que dá o primeiro gameover você se sente motivado a tentar uma nova partida, com aquela sensação de "agora vai". Imagina o quanto de ficha uma máquina dessas não comeu nos tempos áureos de fliperama!

Vamos conferir como se saiu cada uma das três plataformas (Master System, Mega Drive e Game Gear) ao tentar replicar a experiência do arcade.

Master System

A versão do nosso querido 8-bits se esforça para ser um port direto do arcade. E não é que a SEGA conseguiu um belo feito aqui? Tudo bem que não é perfeito, mas considerando as limitações do console, é um port eficiente.


Aqui temos o mesmo percurso do arcade, com as bifurcações e cenários bem próximos do original. Claro que devido às limitações do console temos sprites menores e efeitos de zoom menos fluidos, e no geral o jogo ficou um pouco mais lento, especialmente comparado com Hang On da mesma plataforma, mas ainda assim o jogo passa uma boa sensação de velocidade e mantém uma boa jogabilidade.

Detalhe para a trilha sonora que aproveita o chip FM para embelezar as músicas que já ficaram ótimas na placa de som guerreira do Master, e o curioso caso da aproximação dos túneis de pedra e dos checkpoints, onde a câmera permanece fixa e não segue o carro, é bem estranho mas certamente isso foi por causa das limitações do Master.

Mega Drive


Essa é a versão que mais se aproxima do arcade entre os consoles domésticos da época. Tem gráficos bem próximos do arcade embora sofra das limitações do Mega, mas temos efeitos de zoom bem mais fluídos e a placa de som consegue reproduzir muito bem as músicas consagradas do jogo. Inclusive temos uma música a mais nesta versão, a Step on Beat, uma faixa exclusiva para o Mega Drive.


Temos o mesmo percurso do jogo original, bifurcações com efeitos similares ao do arcade, velocidade convincente, ótima jogabilidade com boa resposta dos controles, os finais e acidentes com praticamente os mesmos detalhes do arcade.

É claro que essa versão ainda não bate a original, temos menos cores e a velocidade ainda não se compara com o que era visto no arcade, mas o que a SEGA conseguiu neste port já era o suficiente para ficar se gabando que tinha OutRun em casa.

Game Gear

E porque não curtir uma bela volta no carrão com sua loira enquanto está esperando na fila do banco? Aqui a SEGA decidiu não fazer apenas um port de Master System. É um jogo totalmente voltado para o portátil, com uma pista menor e sprites menores e menos detalhados. No final ficou um jogo bem fluído e com velocidade muito maior que a do Master System, mas esse demake o deixou menos parecido com o arcade, sendo quase um outro jogo.


 
As pistas são diferentes e o desafio em si ficou mais baixo por causa da menor quantidade de carros e objetos na tela. Acredito que o ganho no desempenho e a melhora na jogabilidade compensa os sacrifícios feitos, mas o jogo em si não convence ninguém a abandonar o OutRun dos fliperamas.

As músicas são as mesmas do arcade e não vi muita diferença do que foi feito no Master, e temos aqui duas características que não existem nas versões de console; uma delas é a possibilidade de escolher entre marcha automática ou manual, uma boa pra quem não gosta de ficar se preocupando em trocar de marcha e quer se focar apenas em pisar fundo no acelerador. A outra é o modo versus onde é possível tirar um racha na estrada contra o computador ou contra outro jogador.

Conclusão

OutRun é um clássico que todo fã de corrida arcade deveria ter jogado. Se você ainda não jogou, não perca mais tempo e vá jogar, é obrigatório para qualquer fã da SEGA e de jogos de fliperama.

Quanto a versão a ser escolhida, recomendo a de Mega Drive com certeza! É a que mais se aproxima do jogo original, com uma faixa a mais e ótima jogabilidade, e Blast Processing huehuehue! :D

Mas seria injusto ignorar a versão do Master System. Vale a pena conferir para admirar o milagre feito pela SEGA com o nosso querido 8-bits. Mesmo com todas as limitações a SEGA conseguiu entregar um port bastante fiel ao jogo original.

A versão de Game Gear na minha opinião é a pior das três, mas isso não faz desta versão um jogo ruim, na verdade é uma ótima opção apesar de ser bem diferente do jogo original, mas diverte bastante.



E é isso galera, qual versão vocês curtem mais? Já jogaram as versões para MSX, Turbografx e Amiga? Estão revoltados com o fato da SEGA ainda não ter lançado OutRun 3D na eShop americana do 3DS? Comentem e conversem conosco! :)

Abraços e até o próximo post!

7 comentários:

  1. Excelente matéria, a sega realmente fazia excelentes jogos de corrida para arcade. Alugava bastante a versão deste jogo para master e me divertia bastante com a galera da rua. Porém nesta época já existia o Rad Mobile nos fliperamas e gastávamos muitas fichas até pegarmos os macetes e conseguirmos zerar este clássico. Quando voltávamos para casa víamos o quanto eram sacrificados os jogos para rodarem no nosso querido master System.
    Até hoje considero o Rad Mobile e Daytona os melhores árcades da sega, mas não esquecerei das horas de diversão com a versão caseira de Out Run.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Claudio! Concordo a SEGA sabia como fazer excelentes jogos de corrida arcade. Daytona USA é até hoje meu jogo predileto, mas também curto Hang On, SEGA Rally Championship, Virtua Racing e claro OutRun que me divertiu muito. Só joguei a versão de arcade no emulador, conheci o OutRun pelo Master mesmo e adorei, para mim era a evolução do Enduro!
      Realmente tinha muitos sacrifícios, mas como você falou, as horas de diversão dessa versão caseira foram inesquecíveis. :)

      Excluir
  2. Muito bom Adinan, excelente post!!! Agora sim, o QG voltando ao normal, rsrs abração!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Leo! Tomara que eu consiga manter o blog num ritmo mais frequente. :D
      Abraços

      Excluir
    2. Cara, Out Run eu achava lindo de gráficos, musica e cenas de vitória. Para mim que só tinha o Enduro achava perfeito quando ia jogar no Arcade e descobri que tinha pra Master. Mas eu era horrível com jogos de corrida! rsss òtimo post, amigão!

      Excluir
    3. Valeu Rodrigão! Pois é ver esse jogo rodando no Master na época era sensacional! Para 8-bits é a melhor versão com certeza! Eu também não sou muito bom em corridas não, gosto bastante mas apanho demais nesses jogos kkkkk

      Abraços :)

      Excluir
  3. Passei aqui pra dizer que estou dando um merecido trato no jogo!
    Rapaz, como é lindo, e percebi que hoje bato menos do que na época que pegava emprestado este jogo. A música me impressionou como já estava na cabeça. Consegui evoluir bastante no game. Parabéns de novo pelo port, amigo!

    ResponderExcluir