sábado, 28 de outubro de 2017

GG Review - Crystal Warriors (1991)


Salve pessoal!
O que estão achando dos nossos posts do Game Gear? 
Íamos dar uma sossegada quando pintou este jogo e não desisti dele até terminá-lo. Vamos comigo com Crystal Warriors.



Na história do jogo, o mesmo enredo conhecido. Um continente de fantasia chamado Tyramus é atacado por uma horda de guerreiros  de um conquistador gigante chamado Jyn, que quer se apoderar dos cristais dos 4 elementos. 
Todos passam a temer o tirano até que se levanta uma Princesa chamada Iris, que apesar da aparência fofa, é muito corajosa e lidera, de cidade em cidade, um exercito de resistência. A sorte está lançada. 


Crystal Warriors surgiu para mim como puro acaso. Nunca ouvi falar do jogo até testar a Rom. Trata-se de um RPG de estratégia, bem no estilo anime, mas se você espera algo como um outro Shining Force, devemos preveni-lo de algumas coisas.

GRÁFICOS E SONS


No meu primeiro contato, não quis levar Crystal Warriors a sério. A Arte mangá dos personagens bem como dos cenários, beira ao infantil. Tentava entender na minha cabeça a imagem do mago grisalho ou da guerreira de biquini num corpo infantil. A música é igualmente alegrinha, e (não sei se é minha Rom) não há música dentro da cidade. As batalhas chegam a ser engraçadas parecendo realmente briga de crianças, quando o personagem agita sua espada loucamente e o inimigo esbugalha o olho. Ao menos as magias podiam ter efeitos personalizados.
  


Mini-Shining
Se você gosta de RPG's sem frescuras, Crystal é adequado. Apanhei pra entender o esquema que é simples: Seu exército aparece sobre um castelo e enfrenta outro grupo situado em outro castelo que você desconhece (os bonequinhos aparecem com "?") até que haja um ataque ou você use a magia "Scan" por Iris ou um dos seus magos.

A maioria destas conversas são só ilustrativas.
O terreno, colorido como um jardim de infancia, é variado e possui alguns monstros que seus guerreiros podem capturá-lo (bem no estilo Pokemon), mas são opcionais. O seu objetivo é derrotar ou o exército inimigo ou Iris invadir o Castelo. Nos primeiros níveis isso não é tão óbvio, mas o inimigo tem a intenção de derrotar Iris ou invadir o seu castelo. Mas o jogo não é piedoso como Shining Force, não rola nenhuma ressurreição de personagem perdido e se Iris dançar, Game Over. Para piorar, personagens curadores não podem curar a si mesmos. 

Romi é um dos poucos Magos do jogo.
Não prossiga sem ele ou Friye

Neste game não há iniciativa, o que me confundiu também. Há um cursor que você seleciona a ação de todo seu grupo primeiro (Botão 2). O cursor também analisa (Botão 1) o Status dos personagens conhecidos. O cursor em caso de ataque vira uma espada e magia, um báculo. 

Proteja os personagens mais vulneráveis naquela batalha.
Aposte num ataque multiplo pra eliminar Magos com o Sethe.

O turno de Batalha são 4 ações, duas do atacante e duas do defensor. Se o inimigo for muito forte, posso usar um monstro capturado pra  distrai-lo. Já ocorreu de inimigos fracos pularem sobre Iris, e serem derrotados por ela, só se defendendo. Em outras, Bayne, minha guerreira principal, foi minada por 3 ataques seguidos, dois de magos.  Um mago pode retaliar uma magia se estive no alcance.


Dentro das cidades, o cenário, além de sem som é idêntico. Há 6 prédios. Na pousada, você salva o game e pode "comprar" um aliado se houver. Achei uma dupla de guerreiros chamados "Tyris" e "Flare", homenagem a Golden Axe. No templo, alguém te "prediz" sobre o exército inimigo. Há duas casas normais com conversas. Uma loja de armas e de magias.

Dica: elimine Bane, o clérigo, primeiro. Ele não pode se curar
e recarrega aquele inimigo que você gastou todos seus ataques.


O Ultimo Mestre do Ar
Mas qual o diferencial deste simplório RPG? É justamente o equilíbrio e estratégia dos personagens por serem regidos por um dos quatro elementos. Foi frustrante não saber que seu personagem que tinha evoluído bem era muito vulnerável a um inimigo de elemento mais poderoso. 

Mesmos elementos, o que conta é o nível.
A Regra é assim:
> O Vento vence a Água.
> A Água vence o Fogo.
> O Fogo vence o Vento.
> A Terra apenas conta os Níveis.

Evite que Murak dê o golpe final no monstro, pois ele não os captura.
Personalize  seus magos pra enfrentar 3 elementos.
Iris e os Magos tendem a ser elemento Terra. As magias ofensivas também são baseadas em elementos, bem no estilo do RPG brasileiro 3D&T: Há a hierarquia Fire-Flash-Cold, respectivos Fogo-Vento-Água e causa dano maior ou menor no inimigo de acordo com seu elemento. Suas versões mais fortes são Blaze-Bolt-Frost. 

Eu pensava que era só isso, quando vi um dos personagens andando na lava vulcânica. Descobri que o terreno também influencia os lutadores mais fracos ou mais fortes. Por exemplo, o Madd, um "lobisomem" que é um guerreiro do Ar (Ranger) é o único inimigo que anda no meio das árvores, dá um trabalhão nos primeiros níveis, mas no último vira "soldado raso" de Jyn.




CONSIDERAÇÕES FINAIS
Crystal Warriors não é um jogão. O clima infantil e o enredo como disputa pra enfrentar batalhas impede-o deste título. Mas o elemento de adivinhar o inimigo secreto a cada round, e a rivalidade dos elementos, me rendeu bons dias de diversão. Para o final de semana, pode valer um bom desafio. Desfrute. 




6 comentários:

  1. Eu também conheci ele como você, selecionando a rom por acaso. De cara gostei dele. Ainda não joguei mas jogarei em breve. O post serviu até para lembrar disso, muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa, Ulisses!
      Esse é o nosso propósito aqui, suscitar alguma lembrança de coisas que estamos perdendo... Eu continuo fuçando na esperança de continuar achando coisa boa que não conheci.
      Até!

      Excluir
  2. Hum gostei do estilo do game vou tentar jogar depois esse jogo me interessou um pouco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É simples, bonitinho e gostosinho, Rock!
      Recomendo!

      Excluir
  3. Saudações!
    Tudo bem?
    Pois é... mais um que nunca tinha ouvido falar. E, mais um, cujas capas japonesa e "overseas" são completamente diferentes.
    Essa arte ocidental, deve ter chegado ao ponto, de enganar muito consumidor na hora da compra... o jogo em si, tem ar "cômico". Rss!!!
    Até mais e parabéns por mais um ótimo review.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, isso é o que mais pensei! Mais um com temática oriental, meio pro infantil e na capa parece um épico solene.... rsss
      Eu pensava que só tinha Shining Force de estratégia pra GG, ai descubro esse!
      Até, amigo, e obrigado!

      Excluir