terça-feira, 17 de julho de 2018

MD Review - Turtle Ninja Hyperstone Heist (1993)


E aí amigos!
Promessa é dívida e volto aqui ao segundo jogo das Tartarugas pro Mega Drive! Também conhecido no Japão como Return of Shredder, vejam comigo esse  novo episódio fantástico da Konami! Se quiser ler mais sobre a História das Tartarugas e o outro game, clique aqui.



Esta versão do jogo responde a uma demanda do início dos anos 90. Meio triste saber que seu videogame não teria um joguinho sequer dos personagens mais queridos do momento, e este veio bem em cima da curva do sucesso, uma vez que a Konami aogra podia desenvolver seus jogos pra SEGA.  O Game faz parte da cronologia das Tartarugas Ninja após a Trilogia lançada para Arcade e Nintendinho,  junto com o Turtles in Time de SNES, há inclusive paralelos no estilo e na abertura do jogo.    


Tudo começa com a repórter April O'Neil, (numa animação invejável!) diante da estátua da Liberdade. A ilha de Manhattan surpreendentemente desaparece, dando lugar ao Shredder (ou Destruidor) que anuncia sua nova arma da Dimensão X ao mundo, a Hyperstone. As Tartarugas levantam do sofá porque não vão deixar essa passar.

Saca o visual Anime do Jogo.
Dica: Os inimigos cinza possuem Tonfas, o que
 lhes dá capacidade de Defesa. Acerte nas constas.

GRÁFICOS E SONS
Este jogo considero uma grande reabilitação da Konami, pois para um jogo de 8 Mega, feito com um cuidado muito melhor que os outros jogos já apresentados aqui no QG. Basta comparar as imagens. Existe a opção da tonalidade das cores Cartoom ou Anime, o visual Hyperstone Heist é mais próximo do desenho animado com semelhança enorme, enquanto o Tournament Fighters era no estilo dos Quadrinhos. 

Nos Esgotos, esses Aliens emergem do fundo!
A musica é também semelhante aos tema do desenho, uma  releitura cheia do otimismo que sentíamos na série animada do fim dos 80 e final dos 90. Você ouvirá boas composições que te ambientam naquele clima. As pancadas também são muito marcantes, em especial quando você arremessa o inimigo. As vozes são marcantes com gritos felizes de "Pizza!", irritados com "Shell shock!" e a comemoração de "Kawabanga!"      
  

CADA TARTARUGA QUE CARREGUE SEU CASCO
Se você é um Retroplayer, nem preciso explicar sobre as quatro Tartarugas que você pode escolher, seja sozinho ou com um amigo. Os comandos são práticos e seguem o padrão das versões Arcade: O Botão A é o ataque, o B é o pulo e o C é o dash. As maiores diferenças são marcadas justamente pelo tipo de arma usada.   

Dica: O cenário é bem hostil na primeira fase
A combinação A+B permite um golpe especial que gasta Life. Com ele, Leonardo dá um giro, Michelangelo dá um salto curto, Donatello manda um chute com apoio do Bô e Rafael uma giratória.

Dica: O capanga azul salta longe com a Espada. 
A diferença entre eles é aproximadamente assim: Leo é equilibrado, Mike é mais forte, Don tem mais alcance e Raph é o mais rápido. Pessoalmente, sinto que o genioso Rafael leva desvantagem pelo alcance dos seus Saïs, (desvantagem que não é sentida em Tournament Fighters), e o divertido Michelangelo parece mandar melhor com seus golpes giratórios de Nunchaku.
Tecnicamente o esquema é assim:

Tartaruga
Leonardo
Michelangelo
Donatello
Rafael
Força
3
4
2
2
Alcance
3
3
4
1
Velocidade
2
1
2
4

Fase do elevador. Cuidado com os capangas que usam shurikens, laranjas e rosas.
Uma sequencia que descobri com um tempo de jogo, foi mandar ritmado C, B e A. Sua Tartaruga salta, dá um mortal e emenda com uma investida ou Slide. 

Dica: Cuidado com os Robozinhos que te prendem no chicote.
Eles surgem de surpresa.

Dentre os Itens, destacamos a Pizza que recarrega a Vida e a Pizza marcada pela Bomba que solta um ataque estilo "Passa o rodo" (deve estar apimentada!)

Dica: O cenário pode te ajudar. Estoure o hidrante na cara dos inimigos.
  
 KAWABANGA
As fases são apenas cinco: 
- New York Streets é a típica primeira fase que são apresentados ao jogo, com os esgotos e você deve temer os bueiros. 
- A Misterious Ghost Ship dá uma quebra na ação, montadas nas suas pranchas a jato e subindo num navio. 
- Shredder Hideout tem uma ambientação oriental cheia de armadilhas. 
- Gauntlet e Final Shellshock terminam a aventura, bem no estilo do primeiro e segundo Arcade game. 
Em cima da Prancha, mudança na Ação!
Os inimigos são em geral, os capangas do Foot Clan, idênticos exceto pela cor. pra não ficar cansativo, eles foram diferenciados por armas ninja também. Pra completar, surgem outros inimigos como os soldados de pedra que possuem uma resistência maior e os robozinhos com chicotes elétricos. Os chefes são os comuns da série animada. Você verá Rockstead (o Rinoceronte), mas não verá seu parceiro, Bebop (o Javali), a presença de Backster, o cientista louco e o vilão clássico Krang conquistador da Dimensão X. 

Contra o chefe Leatherhead, os combos não podem ser terminados.
Bata um pouco e fuja do seu rastejar. 
O jogo não é injusto, mas fica extremamente desbalanceado quando após lutar com um certo nível de habilidade,  enfrenta o Destruidor de posse da Hyperstone, aí a apelação é nível 100.    



CONSIDERAÇÕES FINAIS
Se você se considera fã das Tartarugas ou quer apresentar pro seus filhos ou sobrinhos como elas eram nos dias de glória, eu recomendo esta versão, além do primeiro jogo de Arcade. Pode ser baseado a partir da versão SNES, mas convenhamos que viagem não era bem o principal enredo do desenho. Vale a pena se divertir por uma horinha com esse antigo jogo, e com um amigo, melhor ainda. Gostoso como uma pizza do dia seguinte. 
Até a próxima!


O IBAMA diz: Preservem as Tartarugas!







6 comentários:

  1. eu diria que é um jogo bom para os padrões do mega drive,joguei muito na época e achava foda e dificil pra KCT mas depois que se pega a manha fica fácil terminar,com o passar do anos porém vi que é um jogo bem preguiçoso da konami,se você reparar ele é uma reciclagem do TMNT turtle in time do snes: cenários, movimentos, quase tudo é da versão snes até a abertura é quase a mesma só mudaram o roubo da estatua da liberdade para o sequestro da dimensão X,o tecnódromo é uma fusão das fases do snes com a nave do destruidor, até o cenário da batalha final é o mesmo, só trocaram o rosto da estatua da liberdade por um maquinário em forma de rosto.A preguiça é tanta que nem se deram ao trabalho de incluir o beebop e mais fases
    nota: 7

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, é um jogo divertido pro Mega Drive, mas conhecendo o que a Konami fez pro SNES e fez pro Mega, realmente as notas caem. Falamos disso na nossa matéria de Sunset Riders. Faltou um Tartarugas pra SEGA e fizeram o jogo reciclado pro Mega mesmo. Ainda me divirto com ele, mas nada muito original. Eu gostaria mais que tivessem feito um port daquele primeiro jogo pro Nintendinho com gráficos e sons melhorados.
      Abraços

      Excluir
  2. Essa versão do Mega Drive nunca joguei só a de Super Nintendo mas pretendo dar uma conferida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se já jogou a Mega talvez não ache tão bom, pois são versões similares, uma adaptou da outra.
      Abraços!

      Excluir
  3. Acho esta versão muito mais divertida que o jogo de SNES por ser muito mais rápida, típico do Mega Drive. Também gosto das diferenças de fase pra fase.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, velocidade define o Mega. Obrigado pelo comentário.
      Abraços!

      Excluir