sábado, 4 de fevereiro de 2012

Diário de Bordo - Phantasy Star (parte 2)

Se você chegou agora e perdeu a primeira parte, clique aqui.
E vamos à segunda etapa da jornada.

Parte 2 - Montando a Equipe

Com Myau do meu lado, parti para o resgate de Odin na caverna da Medusa. Só quando entrei na escuridão e usei a lanterna é que me lembrei que estava diante do primeiro labirinto do jogo e que, por menor que fosse eu precisaria demarcar meus passos para poder voltar.

O primeiro erro foi quando meu mapa começou a não fazer sentido e fiquei perdidasso. Respirei fundo, resetei o jogo e voltei para o início da caverna, lugar que salvei pela última vez.
Era o momento de fazer um desenho decente do labirinto. Para isso precisava contar os passos. A cada passo dado desenhava um quadrado no caderno e quando entrava em um beco continuava o desenho sempre alinhando os quadrados. Com isso consegui desenhar meu primeiro mapa com fidelidade.
Encontrei "Odin Schwarzenegger" petrificado e usei o Alsulin nele. Trocamos uns parecer e seguimos em frente. Fui até o outro lado do labirinto e encontrei a bússola.


Nesse momento um branco tomou conta de minha mente e eu não sabia pra onde ir e o que fazer. Lembrei que uma das informações coletadas era que Odin viera de Scion (a cidade portuária), então toca voltar pra lá. Conversei com algumas pessoas, nada de novo. Sai a esmo procurando uma razão para continuar e acabei indo a norte de Scion, fiquei frente a Baya Malay, o forte, e entrei. Porém uma porta fechada por magia só pode ser aberta por magia e eu ainda não tinha como fazê-la. Sai e subi mais um pouco e entrei em outra caverna, a Naula, onde poderia encontrar a doceria que dará o bolo para eu levar para o governador, mas também estava trancada e eu precisava da chave do calabouço. Voltei a Motavia e fui ao norte de Paseo. Outra caverna. Resolvi encarar, já que essa não tinha porta trancada.


desenhar mapas parece fácil...

Encarei o labirinto e fui desenhando o mapa. Acabei encontrando Noah, mas ele estava ocupado e nem me deu chance para conversar. Fui expulso. Ficou claro pra mim que estava tentando pular etapas, eu não deveria estar ali ainda. Tive que voltar até Palma e quebrar a cabeça pra saber o rumo que deveria tomar.
Peguei as minhas anotações e li. Reli. Pensei, pensei e pensei mais: "Supletivo, supletiv... a bússola!!! Porr... como fui esquecer dela?" A floresta Eppi, eu precisava de uma bússola para atravessa-la, de acordo com as minhas anotações e esse artefato eu consegui logo que resgatei Odin. Claro que deveria seguir para a floresta. Mas onde ficava mesmo??? Fiz uma busca pelo mapa, aproveitando pra matar monstros e adquirir mais experiências. Logo achei a floresta e uma vila no meio dela. Atravessei a danada e adentrei a vila. Então lembrei de tudo, quando falei com o líder do povoado e ele me disse que escondeu a chave em um armazém em Camineet. Bom, toquei de volta pra lá.
E resolvi parar a aventura por hoje. Mas aguarde, que logo retorno.

Até o próximo capítulo, amiguinhos!


14 comentários:

  1. A primeira vez que encontrei Odin petrificado, lá pelos idos do começo da década de 90, eu fui somente com a Alis....

    Mal sabia que precisava do Myau pra conseguir curar o coitado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Cosmão, a primeira vez eu tb fiz isso... mas nem sabia quem era Odin ou o que tinha que fazer, rs

      Excluir
  2. Leo, até hoje eu desenho mapas. Dependendo do game eu desenho e redesenho. E, sinceramente, acho essa a parte mais divertida da história. Não sei o que mas o lance da descoberta, fazer análises e andar com cuidado é algo que só desenhando tem "graça" para mim.

    Boa sorte nessa aventura... E vamos desenhar, huahaua

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. To descobrindo isso só agora, sempre fui de pegar mapas prontos, rs.. mas to curtindo a dificuldade.
      Valeu Marcel!

      Excluir
  3. Aê parceiro! Mandando bem na aventura! =D

    No Phantasy Star não cheguei a desenhar os mapas, mas lembro ter desenhado vários andares em Shinning in the Darkness. No começo me perdi legal, mas depois refiz o primeiro mapa e consegui me localizar. E tem um jogo no DS chamado Etrian Odissey, que dá uma ênfase ainda maior para desenhar o mapa, a tela de baixo é usada para essa tarefa, e uma das primeiras missões é justamente mapear o primeiro andar do calabouço.

    No aguardo pela terceira parte! Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Adinan! Valeu parça!
      Esses eu não conheço, mas gostei do lance do jogo do DS, onde é possível ir desenhando o mapa na tela de baixo, bela sacada!
      Abração!!!

      Excluir
  4. Nossa, mal comecei a ler o diário e me recordei de algo da infância: a primeira vez que entrei em uma caverna (a própria onde encontra-se o Odin), aparece o raio da mensagem "Está escuro"... e eu olhava pra essa mensagem e pensava "e daí que está escuro? que diabos eu faço?". Depois descobri lanterna na loja e etc.
    Uma boa opção pra desenhar mapas são cadernos com folhas quadriculadas, eu tenho até hj guardado um que eu usava justamente pra isso. Sempre ajudou pacas nos labirintos do PS.
    "Odin Schwarzenegger"... LOL!
    Esse lance da chave eu demorei pra lembrar a primeira vez que joguei o jogo num emulador, já vi que não é incomum isso. Quero ver quais outras partes vão acabar te complicando e tentar lembrar se eu já me perdi pelo mesmo motivo.
    Aguardando o próximo capítulo da saga épica! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha Caduco eu tb fiz isso na primeira vez. Me perguntei "Que diabos que tá escuro, como vou acender isso?" hahahah
      Os cadernos com folhas quadriculadas sao perfeitos, eu tive que ir fazendo riscos para suprir a necessidade dos quadriculados...
      Abração!

      Excluir
  5. Putz, muito boa essa de você sair entrando nas cavernas de qualquer jeito, rs... na primeira vez que joguei eu fiz isso várias vezes. Fiquei empolgadíssimo quando achei o Noah, e p. da vida quando ele me mandou embora porque cheguei lá antes da hora ^_^

    Tá fazendo os mapas, que chique! Esse é macho mesmo! Nem é tão difícil desenhar, na verdade. Se eu soubesse fazer mapas naqueles tempos o jogo teria ficado bem mais fácil. Eu não tinha ideia dessa técnica do "passo/quadrado" (hoje desenho mapas direto em dungeon crawlers), então ia no chute mesmo. Certos labirintos foram infernais 0_0

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha, pois é, fui fazendo da forma mais amadora possível, isso pq já joguei milhoes de vezes.
      mas o mapa é a parte mais divertida, nunca imaginei que ia ficar tao feliz por conseguir acertar a mão.
      valeu gagá
      abração!

      Excluir
  6. Cara, ri muito do supletivo, supletivo... Quando entrei na escuridão, já tinha tido umas informações da tal medusa, ô medão dela aparecer! ;)

    ResponderExcluir
  7. Por falar em Phantasy Star I, estou escrevendo uma série de 5 postagens refernetes a esse game. Se tivger interessado, deixo o Link...: http://gazetadealgol.com.br/blog/?cat=41

    ResponderExcluir