sexta-feira, 31 de outubro de 2014

26 anos de Mega Drive (Japão)

Saudações amigos!

Hoje vou aproveitar para homenagear (atrasado) o nosso querido 16-bits da SEGA que completou ontem 26 anos no Japão. Sim, o nosso querido Mega Drive! Acompanhe-me nessa pequena viagem no tempo para relembrar o lançamento do console na terra do Godzila e como ele se saiu por lá em meio ao domínio da Nintendo no mercado japonês de games.

Lançado em 29 de Outubro de 1988, o console era a resposta da SEGA para tentar combater o sucesso absurdo do NES/Famicom da Nintendo. Embora o Master System estava se saindo bem na Europa e na América do Sul (especialmente nossa pátria), a SEGA estava apanhando nos mercados principais, o americano e o japonês. Além de perder para a Nintendo, uma ameaça começou a surgir, a poderosa (ao menos no Japão) NEC, famosa por sua linha de microcomputadores e que lançaria em 1987 o divertidíssimo PC-Engine.

Esse primeiro modelo é lindo até hoje!

Baseando-se na placa System 16, usada pela empresa na produção de seus maravilhosos arcades na época, Hideki Sato e Masami Ishikawa lideraram uma equipe de engenheiros para adaptar a tecnologia do arcade para um console doméstico. O resultado foi o que ficou conhecido na época por Mark V, e mais tarde o nome oficial Mega Drive.

Essa foto infelizmente peguei da internet,
esse Mega Drive não é meu :(
Esse poderoso console preto e com detalhes futuristas (cara esse console é lindo demais até como decoração), seu hardware continha um processador principal Motorola 68000 (7,67 MHz) e um secundário Zilog Z80 para o som e retrocompatibilidade com o Master System. Além disso conta com 72kB de RAM e 64kB de video, permitindo até 64 cores de uma paleta de 512 cores.

As diferenças com a placa System 16 eram pequenas, como menor processamento, placa de som inferior e quantidade menor de cores na tela, mas a semelhança foi vantajosa o suficiente para que fosse simples e rápido portar clássicos dos arcades para o console, com algumas perdas mas ainda assim mantendo a essência do jogo. Assim temos fantásticas conversões dos arcades da SEGA na época, e jogos próprios que faziam um excelente uso do hardware. E claro não vamos esquecer do ouriço/porco-espinho mais rápido do universo dos games!


Muitos clássicos! Dentre eles ports de arcade

Até a SEGA japonesa reconheceu que Sonic merecia um bundle só para ele!

Já tinha medo desse jogo na infância, com esse letreiro em japonês fica ainda mais medonho kkkk

Lindo demais esse Mega Drive branco!

Infelizmente, o lançamento do Mega Drive foi ofuscado por Super Mario Bros 3. A Famitsu e outras publicações escreveram análises positivas para o novo console, mas no Japão infelizmente o Mega Drive nunca decolou, perdendo para o Super Famicom e o PC Engine, o que fez com que a SEGA investisse em vários periféricos como o Mega CD e o 32X, mas no final das contas o Mega Drive é apenas uma curiosidade lá no Japão.

Apesar de ter tido poucos jogos e ser lento,
o Mega CD tinha jogos muito bons e que valem a jogatina

Felizmente a história foi bem diferente mundo afora, e no mercado americano o Genesis foi um sucesso, que foi tristemente interrompido pela arrogância da SEGA japonesa que queria de todo jeito sair dos 16-bits, mesmo que estivesse fazendo sucesso fora do Japão. O resultado vemos até hoje com a SEGA decadente que vive apenas das glórias do passado.

Mas não vamos fazer desse post um lamento e sim uma forma de parabenizar esse grandioso console que se não fez a alegria dos japoneses, com certeza foi um marco na infância de muita gente aqui no Brasil! Parabéns Mega Drive!

Parabéns Mega Drive! 16-bits eterno! :D

E você leitor, qual a sua lembrança com o Mega Drive? Jogou muitos jogos japoneses desse console? Acha injusto o pouco sucesso do Mega no Japão, ou de fato a SEGA japonesa bobeou? Comente e converse conosco!

Abraços e até o próximo post!

11 comentários:

  1. Tive um mega Drive japonês como este da primeira foto, comprado usado com o salário de meu primeiro emprego. Porém como coloquei o Master System no negócio, atualmente tenho certo arrependimento desta aquisição. Também não sei exatamente se foi devido a surgirem novos interesses com mais idade, mas nunca tive a mesma diversão com este console como tive com o Master.
    Os jogos que mais gostava eram o Golden Axe, Sonic, Earthworm Jim e Streets of Rage 2.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Mega é um ótimo console, mas realmente trocar o Master por ele deve ter sido traumático. Tem jogo que curto mais no Master, Castle of Illusion por exemplo, muito mais divertido no 8-bits! Esse sentimento do Mega não te divertir tanto eu sinto hoje com o Wii U por exemplo, é show de bola mas não supera as horas que eu tive com o Master e com o SNES.
      Abraços! :)

      Excluir
    2. Realmente, o Castle of Ilusion do Master representa bem melhor o Mickey que a versão para o Mega, que possui um tom mais sombrio. Inclusive a movimentação do personagem no Master System é bem suave e as fases tem um design incrível. O Mega também me trouxe muita diversão, mas nada perto das alegrias que tive com o querido Master System. A emoção de terminar o primeiro jogo é inesquecível, que no meu caso foi o game Asterix.

      Excluir
    3. Nossa Asterix era épico! Jogaço do início ao fim, e me entristece ver que nenhum dos jogos do Asterix no Mega chegou perto do clássico do Master...até os de SNES não se comparavam com o primeiro Asterix feito pela SEGA, aquele sim foi um jogo sensacional, e pelo estilo acredito que ele foi feito na mesma engine do Castle of Illusion.

      Excluir
    4. Jogava demais o Asterix, a primeira vez que terminei este jogo estava com um primo dormindo em casa e o lembro que deixamos o videogame ligado a noite inteira quando fomos dormir para não perder o progresso que já tínhamos conseguido. Lógico que escondido de minha mãe, senão ela teria desligado o console.
      Também considero a versão do Master como a melhor deste jogo, na verdade não conheço a versão do SNES, mas a de Mega realmente não manteve a qualidade da versão dos 8 bits.
      Mas o melhor deste console,são as memórias das jogatinas, naquele época nos preocupávamos mais com a diversão que com os gráficos dos jogos.

      Excluir
  2. Está ai um videogame que nunca tive mas vivia jogando nas locadoras e nas casas de amigos viu bons tempos de Street of Rage e Street Fighter 2 Champion Edition esse aparelho marcou sua época aqui no Brasil com a velha briga entre a Sega e a Nintendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não tive, fui pro lado bigN da força kkkk mas joguei muito na casa do meu primo e nas locadoras, adorava jogar Altered Beast, ESwat, Sonic, Super Monaco GP e Streets of Rage, jogos muito divertidos!
      Abraços :)

      Excluir
  3. Sem dúvida, os jogos do mega eram mais divertidos que os dos SNES, tive os dois, mas sempre preferi o console da Sega.

    Muitos anos depois conheci o citado PC Engine e depois de jogar com ele cheguei a conclusão que ele era ainda mais divertido que o MD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter os dois consoles na época era um privilégio! Eu fiquei do lado do SNES mas vivia sentindo inveja do Sonic na concorrência. Hoje tenho os dois e meu foco no Mega é nos jogos de arcade, inclusive o Street Fighter nele é muito mais divertido!
      Pra mim a ordem é SNES = Mega > PC Engine. Adoro o PC Engine, tem ótimos shooters e jogos japoneses bem curiosos, mas pra mim a dupla SEGA Nintendo estava num patamar muito acima.
      Abraços!

      Excluir
  4. Bom tempo em que era possível ser criança e ter dois consoles da mesma geração. Hoje, para um pai de família, comprar um xbox one e ps4 ou wii-u, é quase impossível. Antigamente, uma hora ou outra, o pessoal adquiria os dois. hoje, dá pra escolher entre ter dois videogames ou uma geladeira grande.

    E o público japonês é bem bobo. Eu nunca enxerguei os japoneses como gamers de alto naipe. Mas sempre os vi como excelente criadores de conteúdo, como personagens, estilos de jogos e tal. Nisso, os acho imbatíveis, pois o americano tem muita influência de filmes e, por isso mesmo, são muito apegados à clichês.

    O Mega Drive é o Mandingo dos consoles, para onde for vai ostentando seus 16 bits na cara dos outros nesse design sensacional. É o console mais bonito de todos os tempos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Leandro! Então depende muito, eu mesmo fui classe média baixa e meu pai batalhava pra conseguir comprar um console, mas dois da mesma geração não tinha como. Acho que a dificuldade continua a mesma, mas realmente na nossa época os impostos eram menores então era mais possível uma criança ter dois consoles sim.

      E concordo, não dá para confiar 100% no gosto dos japoneses. A única coisa que importa para eles é ver jRPGs. Nesse quesito o Mega CD até que era provido de alguns clássicos e por isso mesmo esse periférico fez um pouco mais de sucesso e sentido lá, mas infelizmente o SNES levou a nata dos RPGs com ele, como Chrono Trigger e Dragon Quest que os japoneses piram até hoje.

      Mas paciência, muitos ficaram sem conhecer esse maravilhoso console da SEGA. Aqui pelo menos a história foi bem diferente e temos que agradecer a Tec Toy por tornar nossas infâncias um pouco mais feliz com esse console que é lindo até hoje! :)

      Abraços

      Excluir