sábado, 18 de novembro de 2017

Jogos Inventados - 6 continuações que não houveram!

Essa continuação virou real!

Olá amigos!
Misturando fantasia e nostalgia, resolvi 6 continuações de jogos que não houveram para Master System. Ficou curioso? Então vamos imaginar que entramos numa realidade paralela e estamos cobrindo estes antigos sucessos!
                                                                               

 KENSEIDEN 2 (1990)
Um ano após derrotar os Monstros Feiticeiros e seu líder, Yonensai, Hayato vivia recluso em seu exílio deixando a Espada no palácio de Edo, a capital. Agora novamente o Japão é assolado por cinco Grandes Magos que roubam novamente a Espada do Rei Dragão e mais quatro jóias do Palácio do Imperador. Hayato continua sua luta com o estilo de combate-e-aprendizado. Em relação ao jogo anterior, agora ganha destaque o combate contra inimigos humanos precisando de maior estratégia contra eles, pois seus golpes servem tanto para ataque como defesa atingindo a arma do inimigo. Mas Hayato deve temer os Magos, pois alguns no Boss Stage tem o poder de teleportar Hayato para outro lado do Japão. Eita! Jogo imperdível! 


PHANTASY STAR 2 (1991)
Sabe-se que a SEGA tinha planos para que Phantasy Star fosse continuado no Master System. A promessa foi mantida e chega, mesmo  tardiamente, a versão 8 bits, aproveitando que o original tinha só 6 Mega. A diferença, além da óbvia limitação de cores é a presença de 3 personagens a menos: Kein, Hugh e Shir, as batalhas tiveram suas cenas limitadas, com tantos personagens em tela mas nada atrapalha a diversão. Uma das reduções que foram para melhor são os labirintos menores, o que virou uma vantagem para terminá-lo diante da enorme dificuldade do original. A SEGA aproveitou a adaptação e diminuiu a linearidade do game,  podendo ir pra 3 cidades diferentes logo no inicio do jogo, os inimigos só se tornam difíceis por volta do 4º nível, além de pequenas alterações. Diz a lenda que Nei ainda pode ser salva no final, mas outra coisa ocorre...  Se você ainda não terminou no Mega Drive, aproveite esta versão. 



 JURASSIC PARK 2 (1994)
Diante do sucesso da franquia de filmes, Jurassic Park ataca novamente no Master System.  Agora focando numa das vantagens da versão 16 bits: você comanda os dinossauros! Tendo a opção de 3 espécies (raptor, estegossauro, pterodonte) você corre pelo parque com um objetivo específico. Desde sobreviver e salvar sua espécie na luta pela vida, até tomar o Centro de Operações dos humanos. Jurassic Park tem o gosto de utilizar lutas com personagens não humanos e aproveitar ao máximo seus movimentos animais.


STREETS OF RAGE - DUELS OF FIRE  (1995)
Das marcas registradas de Streets of Rage, além do clima Noir, é o duelo dos personagens contra os bosses que poderiam figurar bem num game de luta mano a mano. Portado como tipíco  spin-off do Game Gear, encontramos esta versão Duels of Fire, em que Mr. X desafia Axel, Blaze e Skate contra 6 dos seus capangas mais o próprio (e não é porque é um duelo que não trará sua metralhadora!) num duelo em seus domínios pela libertação de Peace City, não podendo faltar o lutador de Kung Fu e a Go-Go Girl, além de 4 bosses. Cenários típicos dos jogos da série, com direito a armas aleatórias no chão que podem ser usadas ou não. Nem preciso dizer que os golpes especiais dos heróis são baseados nos golpes já existentes de SoR 2. Na verdade, esta versão era bem o que eu esperaria do que foi Double Dragon V: houvessem se inspirado nos cenários e na gangue do primeiro jogo, seria um arraso. Este SoR promete!  


ULTIMATE MORTAL KOMBAT 3 (1996)
Dos últimos jogos do Master, não podíamos nos esquivar desta versão de MK. A Willians percebeu as falhas em relação a sua versão doméstica 8 bits e entregou a batuta novamente a Acclaim e a Probe para a despedida. Esta  é uma "versão livre", aproveitando  que é o ultimo do console. Na prática, utiliza a Engine de MK 2 (inclusive cenários) mas resgata personagens de MK 1 e 3. O que torna o game insubstituível por qualquer das versões anteriores. Não há o abismo de diferença entre a velocidade do Smoke para os demais, o que deu um up na agilidade do Game como um todo. Lembrando que há um segredo para utilizar os personagens secretos e os Chefes. Será que conseguimos descobrir?

    

ZILLION 3 (1990) E ZILLION 4 -DELUXE (1996)
Você já deve ter falado da briga entre o estúdio Tatsunoko e a SEGA sobre a série Zillion, não é? Boato ou briga acabada, eles voltaram a produzir outros jogos da série, aproveitando as novas temporadas produzidas deste super anime. Zillion 3 é uma espécie de acordo de paz entre as empresas, pois utiliza a Pistola Light Phaser (teria sido o motivo da discussão), numa nova operação  de salvamento de J.J. de um programa de espionagem ultra secreto em primeira pessoa. Já Zillion 4 , simultâneo com uma versão Mega Drive, o trio defende sua cidade hi-tech no Planeta Maris da ameaça Noza. Retorna os estilos shot n' up com estratégia. unindo os elementos do jogo 1 e 2. Há os computadores, e há as fases na moto Tri-Charge. Você escolhe os personagens e escolhe a fase, como setores da cidade. Ainda há novidades como o movimento de esquiva, que você desvia dos tiros, e carregar o poder da Zillion no melhor estilo Megaman, mas pra isso são necessários power-ups.     
____________________________________________________

E aí, amigos?
O que acharam das nossas continuações?
Ou poderíamos passar a vida sem eles?
LEMBRANDO - ESTES GAMES SÃO IMAGINÁRIOS. ELES NÃO EXISTEM!
Ao menos a continuação do Alex Kidd in Miracle World (na primeira foto) é verdadeira, feita por um fã e eu aprovei o resultado. O que é uma boa para fazermos uma matéria futura.
Até a próxima!




4 comentários:

  1. Saudações!
    Tudo certinho?
    Esse exercício imaginativo é coisa de fã de verdade. "Quem nunca", não é mesmo? Rss!!!
    Com relação ao Zillion... até hoje, não me conformo como não fizeram um game de tiro com a Light Phaser. Justo, um anime feito para vender a pistola, não tem um jogo para ela? É muita "jumentice"!
    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah sim!!
      Nós não nos satisfazemos com pouco e como queríamos mais.
      Já o lance do Zillion acho um pecado, sem trilogia e sem pistola. rss
      Abraços

      Excluir
  2. Seria bem interessante algumas continuações se tivesse saido viu gostaria muito.

    ResponderExcluir
  3. Ah, rock...Como queria...como queria!
    Até mais!

    ResponderExcluir